Pular para o conteúdo principal

Alfabetização com a turma da Mônica



Qual criança, jovem ou adulto, caso já tenha sido apresentado, que não gosta das personagens criadas por Mauricio de Souza? E mesmo os que vão ter contato pela primeira vez, dificilmente não se apaixonarão.

Apresento aqui um trabalho que foi desenvolvido a partir das histórias em quadrinhos e sugestões de atividades de leitura e escrita a serem desenvolvidas a partir da tipologia textual História em Quadrinho (HQ)...

Deixo um alerta que considero relevante. 
Diversas são as formas de narrativa no mundo atual. Os quadrinhos conferem peculiaridades que necessitam ser exploradas junto aos educandos, como imagem, emoções (expressões faciais), elementos gráficos (balões, entre outros). Tudo isso contribui ricamente com o processo de aprendizagem da leitura e da escrita, pois desde a apresentação formal dos HQs ao aprendente, este vai tecendo seus emaranhados de pensamentos sobre as formas em que se dão a escrita e a leitura. Eles vão aprendendo que estão em jogo muito mais que um olhar atento. É PRECISO UM OLHAR QUE COMPREENDE AQUILO QUE VÊ (Heinz von Foerster, 2003). Mas essa compreensão não brota de uma hora para outra e sequer do nada. Para tanto entra em cena a mediação qualitativa, que aponta, indica, ensina.

Ana, minha filha, adora a personagem Magali. Ao desenvolver uma atividade com ela acerca das histórias em quadrinhos lidas através dos gibis, tentei adaptar ao máximo, de acordo com os seus interesses, mas levando em conta a minha intencionalidade pedagógica (que não funciona muito com filhos, diga-se de passagem e como já disse por aqui).


Começamos por identificar as personagens de sua preferência, após fazermos uma releitura de uma das histórias. Depois recortamos as figuras dessas personagens de um gibi já bastante lido e um pouco desmantelado, causando certa estranheza por parte da pequena: "- Mãe, você vai cortar o liivrooo?"

Enfim, argumentos apresentados, recontamos a história do nosso jeito e a escrevemos. Ela falava e eu ia escrevendo numa folha de papel e mais tarde digitei e apresentei a pequena para identificação de palavras e silabas (após escolha das palavras-chave). Solicitei que pintasse no próprio texto as palavras que eu ditava (uma por dia e também uma sílaba de meu interesse). 
  • ligar nomes aos desenhos das personagens,
  • listar o nome das personagens,
  • identificar a letra inicial de cada nome,
  • completar os nomes com as vogais que faltavam,
  • reconhecer e identificar sons e sílabas,
  • identificar quantidade de letras e sílabas dos nomes,
  • reorganizar as sílabas apresentadas aleatoriamente,
  • reescrita dos nomes das personagens,
  • expressão artística a partir de um quadrinho escolhido, ou uma personagem, para criação de uma cena,
  • Formação coletiva (dueto) de frases sobre a cena construída,
  • construção coletiva da história lida (no HQ) em formato narrativo (pelo professor, no blocão),
  • escrever palavras que iniciam com a mesma letra dos nomes das personagens,
  • listar nomes de elementos e objetos que aparecem em determinado quadrinho,
  • completar nomes (lacunados por vogais ou consoantes ou sílabas) de elementos e objetos,
  • completar frases lacunadas,
  • entre outras.
Importante salientar que, todas as atividades eram interligadas. Um caderno sem pauta serviu como instrumento para organização dos exercícios.




A partir dessa nova história, ressignificada, iniciamos um processo análise estrutural do texto e de descoberta de fonemas e grafemas, gradativamente. Foi trabalho para dois meses de estudo, considerando uma hora diária. Compartilho algumas delas e deixo caminho aberto para sua criatividade tão primorosa.


- Produção Textual - Lista de nomes de personagens

- Produção Escrita - Construção individual de história a partir desenho sugerido


Sugestões complementares

* PASSATEMPOS COM A TURMA DA MÔNICA

* MÁQUINA DE CRIAÇÃO DE QUADRINHOS TURMA DA MÔNICA - MQTM
Uma excelente ferramenta para trabalhar a escrita e a leitura através da tipologia textual História em Quadrinhos (HQs)

 O portal www.maquinadequadrinhos.com.br é o 1º editor online de histórias em quadrinhos do Brasil, no qual fãs de todas as idades poderão criar suas próprias histórias, usando personagens, cenários, objetos e balões do universo da Turma da Mônica. As histórias serão lidas e votadas por todos os visitantes do portal e as melhores poderão até ser publicadas nas revistas da Turminha.
Para criar suas histórias, não é preciso pagar nada: um pacote de imagens gratuito está sempre disponível para todos os participantes cadastrados. E para ler e votar nas histórias do portal, não há necessidade nem de cadastro!

O participante poderá também ser Assinante Mensal, Semestral ou Anual do portal Máquina de Quadrinhos. A Assinatura Mensal disponibiliza o acesso a todo o conteúdo do portal por 30 dias. A Assinatura Semestral garante ao usuário o acesso ao mesmo conteúdo da Assinatura Mensal, porém, por um prazo de 180 dias. Já na Assinatura Anual, além do acesso a todo conteúdo por 12 meses, o assinante também terá direito a pacotes com imagens exclusivas.

 http://www.maquinadequadrinhos.com.br/HistoriasPublicadasv2.aspx?&bn=1





(*)VON FOERSTER, Heinz.  Understanding  understanding: essays on cybernetics and
cognition. New York, Springer Verlag, 2003.


Boas Inspirações!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alfabetização: letra de imprensa x letra cursiva

-->
Muitos de nós, alfabetizadores, sentimo-nos inseguros acerca da escolha do tipo de letra a ser usado na alfabetização: Letra Cursiva ou Letra Bastão (ou Imprensa)? Chegamos a divergir em defesa daquilo que acreditamos ser o melhor caminho a ser trilhado pela criança. Sem sombra de dúvida, ainda voto no bom senso para que tal escolha aconteça de forma a garantir o sucesso real de todos rumo ao letramento tão exigido no mundo atual. 



Pensemos e concordemos que a letra cursiva apresenta um grau de dificuldade, em seu traçado propriamente dito, maior que a bastão ou imprensa, como também é chamada, mesmo em se tratando de crianças de um nível mais avançado. Ela é mais cansativa pra quem está aprendendo e, por isso, despende um tempo muito maior para a atividade de escrita. No entanto, a dificuldade varia de criança para criança.

Penso que o processo de aprendizagem é suavizado quando se introduz o uso da letra bastão no início do processo de alfabetização e a manuscrita soment…

Processo de aquisição da leitura e escrita - por Emília Ferreiro

Níveis de aquisição da escrita



Emília Ferreiro, sem dúvida alguma, nos prestou grande contribuição para que pudéssemos compreender como se dá o processo de leitura e escrita para o aprendente. Salvo todas as críticas ao seu trabalho, considero pertinente observar que não percebo essas fases como padrão rígido que se apliquem a todos os indivíduos.
No entanto, elas são boas norteadoras do processo que se deseja pôr em prática - por onde vamos começar? - além de servirem como embasamento de um bom diagnóstico sobre o desenvolvimento do (a) aprendente da leitura e da escrita no momento em que propomos um trabalho com ele (a), também serve para repensar esse trabalho como forma de intervir positivamente para a ampliação do seu aprendizado.
Em seus artigos e livros (Reflexões sobre a Alfabetização (*) e outros) a autora argentina deixa claro que considera a alfabetização um processo que tem início bem cedo e não termina nunca:
"Nós não somos igualmente alfabetizados para qualquer sit…

Caracterização dos Alunos nos níveis de Aprendizagem da Leitura e da Escrita

(http://www.centrorefeducacional.com.br, acessado em 22/01/2009)

COMO IDENTIFICAR OS NÍVEIS DE APRENDIZAGEM EM QUE SE ENCONTRAM OS NOSSOS ALUNOS, DENTRO DE UMA PERSPECTIVA SÓCIO-CONSTRUTIVISTA?

A caracterização de cada nível não é estanque, podendo a criança estar numa determinada hipótese e mesclar conceitos do nível anterior. Tal “regressão temporária” demonstra que sua hipótese ainda não está adequada a seus conceitos.

Emília Ferreiro e Ana Teberosck, para detectar o nível de conceitualização da criança, sugerem um ditado individual de quatro palavras, evitando ditar o monossílabo em primeiro lugar, (monossílaba, dissílaba, trissílaba, polissílaba) e uma frase. Em seguida, pedirá à criança para “ler” o que escreveu, com a finalidade de entender como ela “lê”.

Nas características e desafio dos níveis no processo de alfabetização, as autoras colocam que, em cada nível, a criança elabora suposições a respeito dos processos de construção da leitura e escrita, baseando-se na compreensã…