Pular para o conteúdo principal

Translate

Diários em Bordo: trajetórias alfabetizadoras

Fotografia na Escola

Diário elaborado a bordo da sala de aula do curso sobre imagens utilizadas nas escolas alfabetizadoras: “Pintura e Escrita: confluências da verbalidade e do olhar nas classes de alfabetização”

Valéria Rosa Poubell, setembro de 2009

 Curiosidade.  Foi o sentimento despertado no momento que tomei ciência do Curso sobre Fotografias na escola.  Encontrava-me num dos Fóruns de Alfabetização, na Unirio, e fui correndo (literalmente) fazer a minha pré-inscrição.
Ansiedade, expectativa e um desejo muito grande permearam o meu ser enquanto aguardava o contato do coordenador, Prof. Armando M. Barros. Contato realizado. Tratei de negociar na escola as minhas ausências. O processo de negociação nunca é fácil, uma vez que as escolas públicas não contam com profissional de apoio, ou aquele educador que substitui o professor nos casos de necessidade.
Contando com aquilo que chamam de "boa reputação", e após explicitar a proposta do curso, consegui justificar minha saída da escola para frequentar as aulas. Mas sei que algumas vezes meus alunos, em fase de alfabetização, ficarão sem aula. Penso que eles devam ganhar lá na frente, qualitativamente, pois acredito no meu aproveitamento em relação aos temas e elementos discutidos durante todo o curso.
Considero-me em fase de alfabetização, e também de letramento, aqui entendido como aquilo que faço em relação àquilo que aprendo quando o assunto é alfabetização, principalmente quando tratamos de alunos oriundos de classes sócio-economicamente desfavorecidas. Isto se dá porque, enquanto educadora, percebo o meu “inacabamento”, pelas palavras de Freire (FREIRE, 1996).  Um pouco da minha trajetória profissional nos ajudará a compreender a relação Educação X Educador instituída ao longo da minha própria história de vida.
Quatro anos após o término do Curso Normal, escolhido aos oito anos de idade quando me embrenhei, naquele tempo no “artífice real de faz-de-conta” (se considerada a fase da vida em que me encontrava) de alfabetizar pessoas idosas da minha comunidade, prestei concurso para o Governo do Estado do Rio de Janeiro, em 1993, iniciando então a minha carreira no magistério. Tive a oportunidade de trabalhar em comunidades bastante carentes, como a baixada fluminense, Rio das Pedras, Rocinha e Cidade de Deus. O que me proporcionou um aprendizado substancial para o desenvolvimento da minha prática pedagógica ao longo dos anos. Estive “cara-a-cara” com o problema da exclusão social, tão evidenciado em nosso país, problema este que despertou em mim um descontentamento profundo e um desejo enorme de busca por alternativas capazes de solucionar o problema. Tornei-me o que Paulo Freire chamaria de “sonhadora”. Comecei a sonhar com uma educação transformadora. Revesti-me de esperança, de desejo ardente, de busca...
Fui então, em busca de subsídios capazes de amenizar as minhas aflições e de tornar a minha prática pedagógica mais eficiente. Comecei a sonhar com a Universidade Pública. Um sonho sim, pois sempre fui aluna de escola pública e para estes o ensino superior e gratuito era algo difícil de ser alcançado. Acreditei neste sonho e o tornei realidade. Em 1995, Matriculei-me no curso de Licenciatura Plena em Pedagogia, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, concluindo-o em 1998. No mesmo ano, participei do concurso de seleção de professores para o magistério das séries iniciais do Ensino Fundamental da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro.
Hoje, atuando nas Secretarias Municipais de Educação do Rio de Janeiro e de Nova Iguaçu, ainda reside em mim forte desejo de transformação da realidade social a minha volta, mas agora este desejo se manifesta através de ações efetivas, num passo-a-passo. Muitas vezes, angustia-me saber que pouco ou quase nada tem colaborado de fato para mudança comportamental de alguns dos meus alunos, mas ainda assim, tento “não abandonar o barco”. Percebo o quanto minha atuação faz diferença na vida das crianças que alfabetizo.
A importância de uma formação alfabetizadora competente, aquela que garantirá a inserção do indivíduo na sociedade letrada, é o que movimenta minhas buscas por alternativas mais eficazes em sala de aula. São muitas as inquietações, como exemplo: como transformar em efetivo conhecimento os diversos saberes que meus alunos e alunas trazem consigo?
Adoro tirar fotos! Não gosto de aparecer nelas, mas me fascino pela possibilidade do registro qualitativo e de memória que elas nos proporcionam. Sempre procurei utilizar imagens no trabalho com os meus alunos, mas confesso a pouca habilidade em fazê-lo. Quando lanço olhar sobre o que estou fazendo, prática constante que cultivo, percebo que as atividades relacionadas aos registros em fotografias se repetem. Já as tenho de cor, como receitas. Mas a partir das reflexões provocadas durante as participações no referido curso, começo a não deixar de pensar que a orientação do “olhar” do alfabetizando é fundamental para o processo, assim como o “ouvir”. E tenho falado sobre isso com os meus alunos.
Pensando na possibilidade de aprender novas formas de olhar as imagens, acredito que a proposta do Curso de Extensão “Pintura e Escrita: confluências da verbalidade e do olhar nas classes de alfabetização” favoreceu e, ao longo da tecitura da minha trajetória alfabetizadora continuará  por fortalecer toda a minha prática pedagógica.
A expectativa foi muito maior que a possibilidade de assistir a primeira aula. Me apresentei, quase sem voz, como me é peculiar em momentos como esse. Era a minha imagem que estava ali exposta a olhares indagadores. Ou será a imagem que fiz de mim mesma? Sentimentos se fundiam assim como se fundem nas cabecinhas dos meus alunos...
Fui então acolhida e percebi um clima de afetividade e compartilhamento. Mas fiquei muito bem ao final. Tomei ciência do que fora tratado e discutido ali entre aqueles sujeitos ávidos pelo conhecimento. E até me ofereci para criar um espaço de discussão através da internet, entre os integrantes do grupo de participantes do curso o que, aliás, adorei.
Até mais.
Para conhecer outros Diários construídos a bordo do navio do conhecimento através do curso de Fotografia na Escola, acesse:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alfabetização: letra de imprensa x letra cursiva

-->
Muitos de nós, alfabetizadores, sentimo-nos inseguros acerca da escolha do tipo de letra a ser usado na alfabetização: Letra Cursiva ou Letra Bastão (ou Imprensa)? Chegamos a divergir em defesa daquilo que acreditamos ser o melhor caminho a ser trilhado pela criança. Sem sombra de dúvida, ainda voto no bom senso para que tal escolha aconteça de forma a garantir o sucesso real de todos rumo ao letramento tão exigido no mundo atual. 



Pensemos e concordemos que a letra cursiva apresenta um grau de dificuldade, em seu traçado propriamente dito, maior que a bastão ou imprensa, como também é chamada, mesmo em se tratando de crianças de um nível mais avançado. Ela é mais cansativa pra quem está aprendendo e, por isso, despende um tempo muito maior para a atividade de escrita. No entanto, a dificuldade varia de criança para criança.

Penso que o processo de aprendizagem é suavizado quando se introduz o uso da letra bastão no início do processo de alfabetização e a manuscrita soment…

Processo de aquisição da leitura e escrita - por Emília Ferreiro

Níveis de aquisição da escrita



Emília Ferreiro, sem dúvida alguma, nos prestou grande contribuição para que pudéssemos compreender como se dá o processo de leitura e escrita para o aprendente. Salvo todas as críticas ao seu trabalho, considero pertinente observar que não percebo essas fases como padrão rígido que se apliquem a todos os indivíduos.
No entanto, elas são boas norteadoras do processo que se deseja pôr em prática - por onde vamos começar? - além de servirem como embasamento de um bom diagnóstico sobre o desenvolvimento do (a) aprendente da leitura e da escrita no momento em que propomos um trabalho com ele (a), também serve para repensar esse trabalho como forma de intervir positivamente para a ampliação do seu aprendizado.
Em seus artigos e livros (Reflexões sobre a Alfabetização (*) e outros) a autora argentina deixa claro que considera a alfabetização um processo que tem início bem cedo e não termina nunca:
"Nós não somos igualmente alfabetizados para qualquer sit…

Caracterização dos Alunos nos níveis de Aprendizagem da Leitura e da Escrita

(http://www.centrorefeducacional.com.br, acessado em 22/01/2009)

COMO IDENTIFICAR OS NÍVEIS DE APRENDIZAGEM EM QUE SE ENCONTRAM OS NOSSOS ALUNOS, DENTRO DE UMA PERSPECTIVA SÓCIO-CONSTRUTIVISTA?

A caracterização de cada nível não é estanque, podendo a criança estar numa determinada hipótese e mesclar conceitos do nível anterior. Tal “regressão temporária” demonstra que sua hipótese ainda não está adequada a seus conceitos.

Emília Ferreiro e Ana Teberosck, para detectar o nível de conceitualização da criança, sugerem um ditado individual de quatro palavras, evitando ditar o monossílabo em primeiro lugar, (monossílaba, dissílaba, trissílaba, polissílaba) e uma frase. Em seguida, pedirá à criança para “ler” o que escreveu, com a finalidade de entender como ela “lê”.

Nas características e desafio dos níveis no processo de alfabetização, as autoras colocam que, em cada nível, a criança elabora suposições a respeito dos processos de construção da leitura e escrita, baseando-se na compreensã…