Pular para o conteúdo principal

Translate

Como trabalhar um mesmo conteúdo com diferentes níveis de aprendizagens em sala de aula?

(grupo de alunos meus em classe de alfabetização realizando atividade diversificada enquanto eu atuo numa intervenção mais direta com outro grupo em atividade de leitura e escrita individual)
Uma leitora me enviou a pergunta acima e sei que a questão se constitui, em minha opinião, num dos maiores desafios a serem enfrentados numa sala de aula alfabetizadora.

Já sabemos que cada ser aprendente (o aluno em fase de alfabetização, seja criança, adolescente ou adulto) carrega consigo, para onde quer que vá, a sua história de vida. E ao longo desses vinte aninhos recém completados no magistério (oficiais, pois se considerar os oficiosos, vai bem mais longe ainda) posso dizer com grande conforto que é na sala de aula, onde reside o nosso olhar atento e a nossa escuta sensível, como diz a minha eterna mestra querida, a Prof. Dra. Paula Cid Lopes, que essa história de vida se revelará em capítulos cheios de aventuras e emoções - muitas emoções, diga-se de passagem.

De história em história, todos nós vamos tecendo o nosso aprendizado ao longo da vida. E como trabalhar em sala de aula o mesmo conteúdo para um grupo de alunos com histórias tão diferenciadas de aprendizados?  Vou tentar descrever como encaminho o trabalho com classes de alfabetização em relação aos diferentes níveis em que se encontram os alunos em fase de alfabetização.
Sim, mesmo aqueles de tenra idade já trilharam caminhos repletos de aprendizagens. Este caminhar representa o que hoje é chamado por alguns de letramento. Afinal, vivemos numa sociedade letrada, não é mesmo? Como concebermos então que um indivíduo possa chegar ao nosso "mundo alfabetizador", cuidadosamente projetado por nós em nossa sala de aula, sem um pré-conhecimento ou mesmo um conhecimento já adquirido acerca da leitura e da escrita?  Primeiro passo, penso, é considerar a tão falada "bagagem" que o aluno traz consigo para a sala de aula. Mas como fazer isso? Como lidar com tantas bagagens ao mesmo tempo? E o principal de tudo, como não permitir que esta bagagem se perca no meio do caminho, ou já no início dele, e proporcionar que ele se aprimore cada vez mais?  É exatamente isso parte do que a leitora traz para a nossa discussão.

Um bom DIAGNÓSTICO INICIAL (não conheço outro caminho eficaz que atenda ao propósito de respeitar esse conhecimento aqui já falado). Esse diagnóstico se traduz numa sondagem acerca do que os aprendizes não sabem ainda, ou seja, a identificação do problema para uma prescrição adequada do "medicamento" para cada caso. Por favor, não vamos confundir mendicamento, utilizado aqui propositalmente, com medicalização, tão prejudicial aos nossos alfabetizandos:
"- Esse não aprende mesmo. É muito desatento, precisa visitar um médico que o receite um remedinho que o arranque, à força, dessa condição!
O que pretendo ao utilizar esse termo é fazer um paralelo com aquilo que SUPRE AS NOSSAS NECESSIDADES, seja enquanto ensinantes (professores angustiados e ansiosos por bons resultados), seja enquanto aprendentes (alunos que precisam adquirir conhecimentos).  Quando visitamos um consultório médico e dizemos que estamos com dor de barriga, entramos e saímos de lá certos de que a medicação prescrita será aquela que nos curará das dores ou ao menos nos aliviará dela. Daí a importância do diagnóstico preciso e eficaz.  

Assim também deve ser feito em sala de aula. Diagnósticos realizados em períodos pré-definidos (bimestral ou trimestralmente, por exemplo). O que importa mesmo é identificar o que o aluno ainda não consegue fazer sozinho para que possamos oferecer as ferramentas adequadas (informações e reflexões para ser mais precisa) que o levem a aprender para atingir os OBJETIVOS TRAÇADOS ao longo do processo de alfabetização.


A partir dos resultados obtidos com as sondagens, é que costumo traçar as estratégias para atingir os objetivos para o ano letivo - AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA.  Também não conheço outra estratégia mais eficaz do que um trabalho com GRUPOS diferenciados. Gosto de trabalhar com grupos flexíveis, ou seja, ora os alunos são agrupados de acordo com os seus níveis de alfabetização (aquisição da leitura e da escrita, bem como do uso correto dessa aquisição - "o que eu faço com o que já aprendi"), ora agrupados de forma que uns sejam colaboradores em relação aos outros. Isso dependerá do objetivo específico que pretendo atingir com cada atividade e do tipo de atividade que estou desenvolvendo para atingir aquele objetivo, pois inúmeros são os caminhos, como bem sabemos. Vou tentar exemplificar:


Numa atividade de leitura de uma parlenda para memorização e posterior montagem por frases, depois por palavras e depois por fonemas (frase e palavra-chave escolhidas), o primeiro momento será a oralização do texto por mim e, então, todos participam coletivamente, num só grupo (todos trabalham o mesmo tema/ assunto/ conteúdo).  Mas no segundo momento, que será a leitura oralizada por mim, mas com acompanhamento e APONTAMENTO pelo aluno (com ajuda do dedo, que é um auxiliar na identificação da relação fonema/grafema e grafema/fonema) preciso que uns (os que se encontram em níveis mais avançados) colaborem com outros para que estes recebam a ajuda que necessitam, uma vez que não posso auxiliar a todos ao mesmo tempo e da forma que cada atividade exige.

(alunos do 3º ano do EF em escola pública)
Então, neste caso os grupos serão mesclados por mim com muito cuidado, de forma a garantir que todos desenvolvam a atividade. O terceiro momento (e num outro dia, se possível) estará voltado para uma releiturização feita por mim e com acompanhamento dos alunos, e novamente será feita coletivamente. Logo em seguida, através do blocão, os alunos deverão apontar e marcar/ circular utilizando o lápis de cor ou um marcador de texto (solicitado no início do ano letivo) algumas frases ditadas por mim e mais uma vez, os grupos serão de cooperação.


As diversas atividades se desenvolverão exigindo formação variada de grupos até que todos trabalhem de forma independente, ainda que existam alunos que necessitem de ajuda constante. Haverá um momento em que estes estarão reunidos para uma atividade de intervenção direta de minha parte ("teti-a-teti"). Nessa hora os já que atingiram os objetivos, agrupados por semelhança de níveis, estarão sendo desafiados, a aprofundar o conhecimento que já possuem, por exemplo, se a parlenda fala sobre peixes eles deverão pesquisar e fazer anotações de nomes de tipos de peixes encontrados em água doce e água salgada. Os que se encontram no "caminho do meio", poderão se envolver em atividade de ilustração significativa do texto trabalhado fazendo pequeno registro a partir dos seus desenhos (pequenas frases/ ou algumas palavras/ ou até uma palavra, dependendo do grau de autonomia).

A REESCRITA INDIVIDUAL da parlenda (de memória) é combinada com antecedência e os alunos levam para casa o texto disposto numa folha de papel (geralmente digitado em letra bastão  e fonte grande). É uma atividade que proponho ao final do mini-projeto (tema trabalhado), pois até lá já pude trabalhar as FRASES/ PALAVRAS/ FONEMAS-CHAVE de diversas maneiras e, ainda, a própria reescrita coletiva do texto (os alunos falam e eu escrevo no blocão, que ficará exposto na sala de aula por algum tempo). Dessa forma, acredito que consigo proporcionar uma reescrita individual mais eficaz.

A atividade de reescrita individual do texto trabalhado normalmente dura uma semana (um dia para cada grupo) e é sugerida a todos, uma vez que cada um escreverá de acordo com a sua concepção de escrita, ou seja, amparando-se em suas hipóteses elaboradas para a construção da escrita (ver um pouco mais sobre isso em: Caracterização dos alunos nos níveis de aprendizagem da leitura e escrita e Processo de aquisição da leitura e da escrita - por Emília Ferreiro.  Mas eu costumo solicitar a atividade a um grupo por vez. Enquanto os outros alunos estão em outras atividades, como jogos ou desenhos, previamente combinadas com todos para que estes "não atrapalhem" aqueles que estão em atividade de produção de escrita.

Sei que cérebros devem estar fervilhando neste momento, mas é assim que o meu fica também sempre que me debruço sobre as escritas dos meus diversos alunos nos seus diversos níveis de desenvolvimento da aprendizagem da leitura e da escrita.

Boas Inspirações a todos e todas!

Comentários

  1. Grande educadora!!! Que prazer ler essa partilha e aprender com uma pessoa tão envolvida e apaixonada pela educação! Parabéns! O texto está maravilhoso!!!

    ResponderExcluir
  2. Agradeço as palavras e o carinho. A recíproca é verdadeira. Abç.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Escreva aqui sua crítica ou sugestão.

Postagens mais visitadas deste blog

Alfabetização: letra de imprensa x letra cursiva

-->
Muitos de nós, alfabetizadores, sentimo-nos inseguros acerca da escolha do tipo de letra a ser usado na alfabetização: Letra Cursiva ou Letra Bastão (ou Imprensa)? Chegamos a divergir em defesa daquilo que acreditamos ser o melhor caminho a ser trilhado pela criança. Sem sombra de dúvida, ainda voto no bom senso para que tal escolha aconteça de forma a garantir o sucesso real de todos rumo ao letramento tão exigido no mundo atual. 



Pensemos e concordemos que a letra cursiva apresenta um grau de dificuldade, em seu traçado propriamente dito, maior que a bastão ou imprensa, como também é chamada, mesmo em se tratando de crianças de um nível mais avançado. Ela é mais cansativa pra quem está aprendendo e, por isso, despende um tempo muito maior para a atividade de escrita. No entanto, a dificuldade varia de criança para criança.

Penso que o processo de aprendizagem é suavizado quando se introduz o uso da letra bastão no início do processo de alfabetização e a manuscrita soment…

Processo de aquisição da leitura e escrita - por Emília Ferreiro

Níveis de aquisição da escrita



Emília Ferreiro, sem dúvida alguma, nos prestou grande contribuição para que pudéssemos compreender como se dá o processo de leitura e escrita para o aprendente. Salvo todas as críticas ao seu trabalho, considero pertinente observar que não percebo essas fases como padrão rígido que se apliquem a todos os indivíduos.
No entanto, elas são boas norteadoras do processo que se deseja pôr em prática - por onde vamos começar? - além de servirem como embasamento de um bom diagnóstico sobre o desenvolvimento do (a) aprendente da leitura e da escrita no momento em que propomos um trabalho com ele (a), também serve para repensar esse trabalho como forma de intervir positivamente para a ampliação do seu aprendizado.
Em seus artigos e livros (Reflexões sobre a Alfabetização (*) e outros) a autora argentina deixa claro que considera a alfabetização um processo que tem início bem cedo e não termina nunca:
"Nós não somos igualmente alfabetizados para qualquer sit…

Caracterização dos Alunos nos níveis de Aprendizagem da Leitura e da Escrita

(http://www.centrorefeducacional.com.br, acessado em 22/01/2009)

COMO IDENTIFICAR OS NÍVEIS DE APRENDIZAGEM EM QUE SE ENCONTRAM OS NOSSOS ALUNOS, DENTRO DE UMA PERSPECTIVA SÓCIO-CONSTRUTIVISTA?

A caracterização de cada nível não é estanque, podendo a criança estar numa determinada hipótese e mesclar conceitos do nível anterior. Tal “regressão temporária” demonstra que sua hipótese ainda não está adequada a seus conceitos.

Emília Ferreiro e Ana Teberosck, para detectar o nível de conceitualização da criança, sugerem um ditado individual de quatro palavras, evitando ditar o monossílabo em primeiro lugar, (monossílaba, dissílaba, trissílaba, polissílaba) e uma frase. Em seguida, pedirá à criança para “ler” o que escreveu, com a finalidade de entender como ela “lê”.

Nas características e desafio dos níveis no processo de alfabetização, as autoras colocam que, em cada nível, a criança elabora suposições a respeito dos processos de construção da leitura e escrita, baseando-se na compreensã…