Pular para o conteúdo principal

3º SELIEJA 2019

Nossa História

Minha trajetória
"Você não sabe o quanto eu caminhei... (C. Negra)"

Aos oito anos de idade decidi que queria ser professora. Desta forma mesmo: decidi! Quatro anos após o término do Curso Normal, prestei concurso para o Governo do Estado do Rio de Janeiro, em 1993, iniciando então a minha carreira no magistério. Tive a oportunidade de trabalhar em comunidades bastante carentes, como a baixada fluminense, Rio das Pedras e Rocinha. O que me proporcionou um aprendizado muito substancial para o desenvolvimento da minha prática pedagógica ao longo dos anos. Estive “cara-a-cara” com o problema da exclusão social, tão evidenciado em nosso país, problema este que despertou em mim um descontentamento profundo e um desejo enorme de busca por alternativas capazes de solucionar o problema. Tornei-me o que Paulo Freire chamaria de “sonhadora”. Comecei a sonhar com uma educação transformadora. Revesti-me de esperança, de desejo ardente, de busca...

Fui então, em busca de subsídios capazes de amenizar as minhas aflições e de tornar a minha prática pedagógica mais eficiente. Comecei a sonhar com a Universidade Pública. Um sonho sim, pois sempre fui aluna de escola pública e para estes o ensino superior e gratuito era algo difícil de ser alcançado. Acreditei neste sonho e o tornei realidade. Em 1995, Matriculei-me no curso de Licenciatura Plena em Pedagogia, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, concluindo-o em 1998. No mesmo ano, participei do concurso de seleção de professores para o magistério das séries iniciais do Ensino Fundamental da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro.

Entre os anos de 1997 e 2001, pela Secretaria Estadual de Educação, atuei no CES-SENAI, Centro de Estudos Supletivos. Esta modalidade de ensino caracteriza-se por estudo de módulos, no qual o aluno comparece para fazer avaliações referentes eles. Tal ensino destina-se a jovens acima de quatorze anos e adultos. Mais uma vez, a exclusão social pela via da educação, se estampava aos meus olhos, que se tornavam inquietos.

Ainda durante o curso de Pedagogia, tive a oportunidade de participar de projetos de bolsas e estágios complementares (não obrigatórios) desenvolvidos pela universidade, como o PROALFA, Programa de Alfabetização de Adultos (1997), EDAI / UERJ – Educação com Aplicação da Informática - avaliação de Software Educativo, e o de Iniciação à Docência do CAP/ UERJ (1998). Foram atividades muito proveitosas e que contribuíram bastante para o meu aprimoramento enquanto profissional da educação e constante aprendente. 

Baseada nas inúmeras leituras que fiz, ao longo do Curso de Pedagogia, e através de pesquisa bibliográfica para elaboração de trabalho de monografia, acerca dos escritos de Paulo Freire, L. S. Vygotsky, Regina Leite Garcia, Maria Tereza Steban, Mª Helena S. Patto, Alicia Fernandes, Cipriano Luckesi, entre outros, e também nos apontamentos relevantes abordados pela teoria sócio-interacionista sobre o processo de aprendizagem e aquisição da linguagem oral e escrita, que tem como pilar a formação integral do sujeito e a sua atuação cidadã na sociedade em que está inserido; verdadeiramente crítico e participativo; voltado para transformação dos descalabros que o cercam, apresentei, ao final do curso de Licenciatura em Pedagogia, o trabalho “O fracasso escolar e os seus fatores contribuintes”.

Após o término do curso de Pedagogia, continuei a minha busca. Freqüentei sete dos doze meses do curso de Administração e Planejamento da Educação, oferecido pela UERJ em nível de especialização. Depois disso, no ano seguinte, comecei a freqüentar o curso de Docência do Ensino Superior, na Universidade Candido Mendes, concluindo-o em 2000.

No ano de 2001, participei, como membro de equipe da Diretoria de Cadastro e Movimentação de Pessoal da Secretaria Estadual de Educação, atuando no setor de Posses e Concursos. Em 2002, ávida pelo cotidiano da sala de aula, solicitei remoção para o Ciep Ayrton Senna, na Rocinha, escola em que atuei como Coordenadora Pedagógica até o ano de 2006.

Na Prefeitura do Rio de Janeiro, exerci as atividades pedagógicas em turmas de Educação Infantil, 1º ao 5º anos do Ensino Fundamental, Classe de Progressão (alfabetização), Educação de Jovens e Adultos – PEJA (Programa de Educação de Jovens e Adultos), Coordenação Pedagógica e Professor- Agente de Educação Especial (Sala de Recursos).

Fiquei fascinada com a proposta de trabalho do PEJA, onde se concentram hoje minhas maiores inquietações: Como transformar em efetivo conhecimento os diversos saberes que os alunos e alunas trazem consigo? Como transformar práticas pedagógicas convencionais em ações de Educação Popular para os alunos e alunas da EJA? Como ajudar as alunas e os alunos, jovens e adultos a vencer o impacto e a representação social do fracasso escolar ou da não-escolarização em suas vidas? 

No mesmo ano em que comecei a atuar na EJA, foi me proporcionada participação no Curso de Extensão "Ensino Superior e Educação Fundamental: teoria e prática de EJA", na PUC/ RJ. Oportunidade esta que aproveitei com entusiasmo e zelo. Tempos depois, participando do Curso de Pós-graduação em Alfabetização na EJA, oferecido pela Secretaria Municipal de Educação, em parceria com a Universidade Estácio de Sá, no ano de 2006, busquei atualização profissional, subsídios para uma prática pedagógica mais eficaz e indícios de respostas para minhas indagações.

Em 2008, senti um quase incontido desejo de compartilhar ainda mais de tudo o que meus professores, autores lidos e meus alunos haviam compartilhado comigo. Foi então que, aproveitando uma sugestão de leitura de artigo enviado por uma amiga, constante do seu blog recém criado, vivenciei e analisei o canal de comunicação via internet e decidi criar o meu próprio webblog. Desta forma, realizaria a minha vontade, que já me tomava por alta ansiedade. 

Saciando parte da minha inquietude, latente em diferentes aspectos, no ano de 2009, matriculei-me no Curso de Extensão da Universidade Federal Fluminense, Ministrado pelo Prof. Dr. Armando M. Barros - Pintura e Escrita: confluências da verbalidade e do olhar nas classes de alfabetização. Pude aprender sobre a subjetividade implícita e explícita das imagens produzidas pelos alfabetizandos durante seus processos de desenvolvimento da leitura e da escrita. 

Atualmente, exerço o cargo de Professora na Prefeitura do Rio de Janeiro, Orientadora Pedagógica na Prefeitura de Japeri, com atuação nos primeiros anos do Ensino Fundamental, cargo assumido desde o ano de 2014 e que me permitiu o reencontro com os primórdios da minha carreira, e escritora deste weblog, que me fascina e ensina a cada dia mais e mais.

Ainda preciso de muito mais...

Postagens mais visitadas deste blog

Alfabetização: letra de imprensa x letra cursiva

-->
Muitos de nós, alfabetizadores, sentimo-nos inseguros acerca da escolha do tipo de letra a ser usado na alfabetização: Letra Cursiva ou Letra Bastão (ou Imprensa)? Chegamos a divergir em defesa daquilo que acreditamos ser o melhor caminho a ser trilhado pela criança. Sem sombra de dúvida, ainda voto no bom senso para que tal escolha aconteça de forma a garantir o sucesso real de todos rumo ao letramento tão exigido no mundo atual. 



Pensemos e concordemos que a letra cursiva apresenta um grau de dificuldade, em seu traçado propriamente dito, maior que a bastão ou imprensa, como também é chamada, mesmo em se tratando de crianças de um nível mais avançado. Ela é mais cansativa pra quem está aprendendo e, por isso, despende um tempo muito maior para a atividade de escrita. No entanto, a dificuldade varia de criança para criança.

Penso que o processo de aprendizagem é suavizado quando se introduz o uso da letra bastão no início do processo de alfabetização e a manuscrita soment…

Processo de aquisição da leitura e escrita - por Emília Ferreiro

Níveis de aquisição da escrita



Emília Ferreiro, sem dúvida alguma, nos prestou grande contribuição para que pudéssemos compreender como se dá o processo de leitura e escrita para o aprendente. Salvo todas as críticas ao seu trabalho, considero pertinente observar que não percebo essas fases como padrão rígido que se apliquem a todos os indivíduos.
No entanto, elas são boas norteadoras do processo que se deseja pôr em prática - por onde vamos começar? - além de servirem como embasamento de um bom diagnóstico sobre o desenvolvimento do (a) aprendente da leitura e da escrita no momento em que propomos um trabalho com ele (a), também serve para repensar esse trabalho como forma de intervir positivamente para a ampliação do seu aprendizado.
Em seus artigos e livros (Reflexões sobre a Alfabetização (*) e outros) a autora argentina deixa claro que considera a alfabetização um processo que tem início bem cedo e não termina nunca:
"Nós não somos igualmente alfabetizados para qualquer sit…

Caracterização dos Alunos nos níveis de Aprendizagem da Leitura e da Escrita

(http://www.centrorefeducacional.com.br, acessado em 22/01/2009)

COMO IDENTIFICAR OS NÍVEIS DE APRENDIZAGEM EM QUE SE ENCONTRAM OS NOSSOS ALUNOS, DENTRO DE UMA PERSPECTIVA SÓCIO-CONSTRUTIVISTA?

A caracterização de cada nível não é estanque, podendo a criança estar numa determinada hipótese e mesclar conceitos do nível anterior. Tal “regressão temporária” demonstra que sua hipótese ainda não está adequada a seus conceitos.

Emília Ferreiro e Ana Teberosck, para detectar o nível de conceitualização da criança, sugerem um ditado individual de quatro palavras, evitando ditar o monossílabo em primeiro lugar, (monossílaba, dissílaba, trissílaba, polissílaba) e uma frase. Em seguida, pedirá à criança para “ler” o que escreveu, com a finalidade de entender como ela “lê”.

Nas características e desafio dos níveis no processo de alfabetização, as autoras colocam que, em cada nível, a criança elabora suposições a respeito dos processos de construção da leitura e escrita, baseando-se na compreensã…