Pular para o conteúdo principal

Translate

Resgatando as tradições indígenas sem mitificar a história

19 de abril
Dia do Índio

A história dos povos indígenas no Brasil não pode ser resumida aos seus costumes de séculos passados, até porque, hoje em dia muitos deles não existem mais. Penso que apenas pintar e vestir as crianças com penas e chocalhos não contribui para trazer a tona o sentido desse dia. Menos ainda, desperta o respeito por um povo "estraçalhado" por nossa história de colonização. Temos que refletir e tentar não falar dos índios como um mito, uma lenda, ou algo muito distante de nós. Afinal, os índios ainda vi(sobre)vem!

No nosso país, os índios brigaram muito pelos seus direitos, principalmente o direito às terras que já eram suas. Eles também não se deixaram escravizar e tiveram que pagar com a própria vida essa resistência. Hoje, ainda lutam para sobreviverem. (...)


Comemorar esse dia com fantasias já faz parte de uma "tradição" em nossas escolas. Na maioria das vezes, retratam os índios da América do Norte (com roupas, machadinhas e etc.). Acontece que esses índios foram, em sua maioria, dizimados pelas ações dos colonizadores que "invadiram" suas terras (tal como aconteceu por aqui).

A leitura do livro "Coisas de Índio", Daniel Munduruku, nos ajuda a repensar a nossa visão sobre a comemoração do dia do Índio. E como "Todo dia, era (é) dia de índio" (Jorge Ben Jor), é um tema que deve estar presente em diversos momentos do ano letivo.


Trabalhar com histórias indígenas (lendas), vivenciar brincadeiras, trazer informações sobre um outro modo de viver dos índios e as influências da cultura ocidental nos seus costumes (uso de roupas, chinelos e etc.), utilizar CDs de música guarani (ouvir durante as atividades), etc. irá proporcionar a criança uma visão mais critica da realidade que cerca o índio no Brasil nos dias atuais, e também possibilitar uma compreensão longe da deturpação e alienação histórica.

Ivanise Meyer sugere em seu blog “Baú de ideias”, algumas atividades que, tomadas como ponto de partida, nos ajudam a desenvolver um trabalho diferenciado com nossos alunos. São elas:

- Mostrar fotografias, traços e cores que eles usam em suas produções.
Pode-se trabalhar em turma de Educação Infantil, por exemplo, um documentário (em DVD) do Kuarup que fizeram para o Villas Boas no Xingu.

- Pode-se também, criar um "dicionário" com palavras traduzidas para o tupi-guarani após pesquisa na própria sala de aula, ou fora dela, se possível.

- No CD do Cocoricó há uma música do Hélio Ziskind que diz: "todo mundo tem um pouco de índio dentro de si", esse clipe do grupo está na história "A indiazinha" (tem em DVD).

Comentários

  1. muito bom esse site!mas tem algumas coisas que tem que ser melhoradas...

    ResponderExcluir
  2. Fico feliz e agradeço seu comentário para que possamos melhorar o nosso site. Se possível, continue nos auxiliando enviando seus apontamentos. Obg e forte abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Escreva aqui sua crítica ou sugestão.

Postagens mais visitadas deste blog

Alfabetização: letra de imprensa x letra cursiva

-->
Muitos de nós, alfabetizadores, sentimo-nos inseguros acerca da escolha do tipo de letra a ser usado na alfabetização: Letra Cursiva ou Letra Bastão (ou Imprensa)? Chegamos a divergir em defesa daquilo que acreditamos ser o melhor caminho a ser trilhado pela criança. Sem sombra de dúvida, ainda voto no bom senso para que tal escolha aconteça de forma a garantir o sucesso real de todos rumo ao letramento tão exigido no mundo atual. 



Pensemos e concordemos que a letra cursiva apresenta um grau de dificuldade, em seu traçado propriamente dito, maior que a bastão ou imprensa, como também é chamada, mesmo em se tratando de crianças de um nível mais avançado. Ela é mais cansativa pra quem está aprendendo e, por isso, despende um tempo muito maior para a atividade de escrita. No entanto, a dificuldade varia de criança para criança.

Penso que o processo de aprendizagem é suavizado quando se introduz o uso da letra bastão no início do processo de alfabetização e a manuscrita soment…

Processo de aquisição da leitura e escrita - por Emília Ferreiro

Níveis de aquisição da escrita



Emília Ferreiro, sem dúvida alguma, nos prestou grande contribuição para que pudéssemos compreender como se dá o processo de leitura e escrita para o aprendente. Salvo todas as críticas ao seu trabalho, considero pertinente observar que não percebo essas fases como padrão rígido que se apliquem a todos os indivíduos.
No entanto, elas são boas norteadoras do processo que se deseja pôr em prática - por onde vamos começar? - além de servirem como embasamento de um bom diagnóstico sobre o desenvolvimento do (a) aprendente da leitura e da escrita no momento em que propomos um trabalho com ele (a), também serve para repensar esse trabalho como forma de intervir positivamente para a ampliação do seu aprendizado.
Em seus artigos e livros (Reflexões sobre a Alfabetização (*) e outros) a autora argentina deixa claro que considera a alfabetização um processo que tem início bem cedo e não termina nunca:
"Nós não somos igualmente alfabetizados para qualquer sit…

Caracterização dos Alunos nos níveis de Aprendizagem da Leitura e da Escrita

(http://www.centrorefeducacional.com.br, acessado em 22/01/2009)

COMO IDENTIFICAR OS NÍVEIS DE APRENDIZAGEM EM QUE SE ENCONTRAM OS NOSSOS ALUNOS, DENTRO DE UMA PERSPECTIVA SÓCIO-CONSTRUTIVISTA?

A caracterização de cada nível não é estanque, podendo a criança estar numa determinada hipótese e mesclar conceitos do nível anterior. Tal “regressão temporária” demonstra que sua hipótese ainda não está adequada a seus conceitos.

Emília Ferreiro e Ana Teberosck, para detectar o nível de conceitualização da criança, sugerem um ditado individual de quatro palavras, evitando ditar o monossílabo em primeiro lugar, (monossílaba, dissílaba, trissílaba, polissílaba) e uma frase. Em seguida, pedirá à criança para “ler” o que escreveu, com a finalidade de entender como ela “lê”.

Nas características e desafio dos níveis no processo de alfabetização, as autoras colocam que, em cada nível, a criança elabora suposições a respeito dos processos de construção da leitura e escrita, baseando-se na compreensã…