Pular para o conteúdo principal

Translate

Má qualidade da educação: de quem é a culpa?

Prezado companheiro de troca-troca,

Desde que este espaço foi criado, venho tentando manter distanciamento de assuntos que não dizem respeito diretamente à alfabetização.  No entanto, a situação emergente em que a Educação no país se encontra e em especial a oferecida pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e os diversos pontos de vista apresentados principalmente pela mídia (formadora em potencial de opiniões) me conduzem ao desejo de soltar a voz em prol de toda experiência vivenciada no magistério.. Quero acrescentar que considero todos muito válidos e aceitos na medida do conhecimento da causa em questão por parte do seu emissor.

Como a alfabetização está contida nesta esfera mais ampla, peço licença para apresentar minhas reflexões acerca de um pensamento hegemônico que vem se consolidando cada vez mais no imaginário da população do país: a de que a má qualidade da educação se deva exclusivamente ao professor.

Que os "maus professores" existem, de certo e concordamos, mas torná-los representantes de uma grande maioria que vive a esperança refletida nas ações de uma Educação Pública verdadeiramente de qualidade é um tantão equivocado.
A Secretaria de Educação Municipal do Rio de Janeiro, através dos seus representantes, vem se constituindo como um forte aliado à frente daqueles que atribuem a má qualidade da educação à figura do professor, eximindo-se assim da sua grande parcela de responsabilidade.

Tratar a questão da má qualidade da educação na rede pública brasileira como responsabilidade única e exclusiva dos professores é, no mínimo, uma decisão política errônea, para não dizer "maquiavélica", e  muito distanciada da prática pedagógica no âmbito dessas escolas. Reconhecer o professor do ensino público, como incapaz de se sobrepor a todo descaso político e influências negativas em sua área, deixando de lado aqueles que operam "milagres", se considerarmos a superlotação nas salas de aula, as inúmeras e enormes dificuldades sóciofamiliares, a falta de acesso aos meios culturais acumulados ao longo da história do país, representa uma estratégia de expurgação da sua qualidade e importância social, e portanto, paradoxal face ao que argumenta.

E o pior de tudo é quando uma parcela dos professores acaba por acreditar na sua incapacidade de ensinar.  E aí, quem se responsabiliza pelo fracasso do professor? Que investimentos se destinam a sua sólida formação, uma vez que a constante atualização se faz necessária? Quando são apresentados, abarcam a todos os profissionais? Se não, quais critérios regem a escolha daqueles que deverão (ou poderão) participar?

Ensinar alunos como os da maioria das escolas particulares, onde existem no máximo 15 ou 20 alunos por sala; profissionais de apoio para cada sala e pais que "dão duro" para ensinar aos seus filhos todos os conteúdos não aprendidos; sem contar que a grande maioria acaba por ser aluno em escolas extraoficiais, ou seja, aquelas representadas pela pessoa do explicador, ou até do próprio professor do ensino oficializado através de aulas de reforço (excelente fonte de grana extra) é tarefa demasiadamente simples para o professor da escola pública. Quantos alunos são atendidos em média na escola pública? Quem ajuda o aluno na tarefa de casa? Quando o aluno não vai bem, quem o auxilia? Quem ajuda o professor nas tarefas mais simples como levar um aluno ao banheiro quando necessário? Quantas horas o professor tem para o planejamento e o replanejamento das suas atividades? Situações altamente relevantes quando queremos nos referir a QUALIDADE em educação.

Sua opinião será muito bem vinda!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alfabetização: letra de imprensa x letra cursiva

-->
Muitos de nós, alfabetizadores, sentimo-nos inseguros acerca da escolha do tipo de letra a ser usado na alfabetização: Letra Cursiva ou Letra Bastão (ou Imprensa)? Chegamos a divergir em defesa daquilo que acreditamos ser o melhor caminho a ser trilhado pela criança. Sem sombra de dúvida, ainda voto no bom senso para que tal escolha aconteça de forma a garantir o sucesso real de todos rumo ao letramento tão exigido no mundo atual. 



Pensemos e concordemos que a letra cursiva apresenta um grau de dificuldade, em seu traçado propriamente dito, maior que a bastão ou imprensa, como também é chamada, mesmo em se tratando de crianças de um nível mais avançado. Ela é mais cansativa pra quem está aprendendo e, por isso, despende um tempo muito maior para a atividade de escrita. No entanto, a dificuldade varia de criança para criança.

Penso que o processo de aprendizagem é suavizado quando se introduz o uso da letra bastão no início do processo de alfabetização e a manuscrita soment…

Processo de aquisição da leitura e escrita - por Emília Ferreiro

Níveis de aquisição da escrita



Emília Ferreiro, sem dúvida alguma, nos prestou grande contribuição para que pudéssemos compreender como se dá o processo de leitura e escrita para o aprendente. Salvo todas as críticas ao seu trabalho, considero pertinente observar que não percebo essas fases como padrão rígido que se apliquem a todos os indivíduos.
No entanto, elas são boas norteadoras do processo que se deseja pôr em prática - por onde vamos começar? - além de servirem como embasamento de um bom diagnóstico sobre o desenvolvimento do (a) aprendente da leitura e da escrita no momento em que propomos um trabalho com ele (a), também serve para repensar esse trabalho como forma de intervir positivamente para a ampliação do seu aprendizado.
Em seus artigos e livros (Reflexões sobre a Alfabetização (*) e outros) a autora argentina deixa claro que considera a alfabetização um processo que tem início bem cedo e não termina nunca:
"Nós não somos igualmente alfabetizados para qualquer sit…

Caracterização dos Alunos nos níveis de Aprendizagem da Leitura e da Escrita

(http://www.centrorefeducacional.com.br, acessado em 22/01/2009)

COMO IDENTIFICAR OS NÍVEIS DE APRENDIZAGEM EM QUE SE ENCONTRAM OS NOSSOS ALUNOS, DENTRO DE UMA PERSPECTIVA SÓCIO-CONSTRUTIVISTA?

A caracterização de cada nível não é estanque, podendo a criança estar numa determinada hipótese e mesclar conceitos do nível anterior. Tal “regressão temporária” demonstra que sua hipótese ainda não está adequada a seus conceitos.

Emília Ferreiro e Ana Teberosck, para detectar o nível de conceitualização da criança, sugerem um ditado individual de quatro palavras, evitando ditar o monossílabo em primeiro lugar, (monossílaba, dissílaba, trissílaba, polissílaba) e uma frase. Em seguida, pedirá à criança para “ler” o que escreveu, com a finalidade de entender como ela “lê”.

Nas características e desafio dos níveis no processo de alfabetização, as autoras colocam que, em cada nível, a criança elabora suposições a respeito dos processos de construção da leitura e escrita, baseando-se na compreensã…