Pular para o conteúdo principal

Translate

Processos Alternativos de Alfabetização: só para adultos?



“Leituras e escrituras numa Educação Popular”
Por Valéria Rosa Poubell:
In trabalho monográfico de final de curso de
Pós-graduação em Alfabetização – Puc/ 2002.

A visão que tenho de processo de alfabetização é aquele que é capaz de proporcionar ao educando meios de interagir de forma independente, autônoma e crítica frente ao mundo letrado. Devemos crer que para tanto, este processo deve contemplar o “ir além” das letras, fonemas, palavras e frases soltas e descontextualizadas. Mas o que oferecer aos alunos da EJA?
Na busca do conteúdo vivo – leitura e escrita – o aprendente se depara com a rica diversidade: diferentes tipos de letras, de variados tamanhos e formas e cores. Todos – educando e educador – interagem com as diversas formas de expressão da língua – textos escritos e não-escritos. E fazem as escolhas mais adequadas, tomando de empréstimo do meio o material que precisam e no qual trabalham (com ferramentas precisas e eficazes), para devolver melhor ainda – aquilo que toda a sociedade necessita.

O interesse e o desejo de aprender, tão necessários serem resgatados (GARCIA, 2003); a confrontação dos saberes, da vida prática e os já consolidados no meio escolar, serão otimizados, oportunizando a todos ver o que antes não conseguiam.
O aluno da EJA, aprendente da leitura e da escrita, em sua maioria migrante em cidades “grandes”, traz consigo e carrega para a sala de aula o seu modo de falar, típico das suas origens. E aí se depara com a incompreensão por parte dos professores do seu falar. E não compreende o falar do professor. A comunicação não se estabelece. O processo de aprendizagem da leitura e da escrita se rompe. E rompendo-se acarreta consequências desagradáveis e inesperadas tanto por parte do sujeito da aprendizagem, que na maioria das vezes responde com a desistência, tanto por parte do professor, que se sente impotente.
Por estarem inseridos numa sociedade letrada, os jovens e adultos, ainda não alfabetizados veem-se cercados de situações onde a escrita e a linguagem oral aparece. Nesta interação os sujeitos vão tecendo hipóteses sobre a utilidade de um e outro texto, e seus funcionamentos, bem como as formas de comunicação.
A nossa dificuldade, enquanto mediadores do processo de aprendizagem é grande em perceber nesse emaranhado de relações, oportunidades em potencial de exploração da relação aluno x objeto x conhecimento.
A linguagem do aluno constantemente é desconsiderada por nós, educadores, que tentamos, inadvertidamente impor-lhe a nossa linguagem - geralmente aquela que foi moldada nos meios escolares - ,  pois a consideramos superior, culta, padrão:
As pessoas sem instrução falam tudo errado” (BAGNO, 2004).
Com ilustrações como essa, Bagno (2004) nos alerta para o preconceito lingüístico que se baseia na crença de que “só existe uma língua portuguesa digna deste nome” e que esta seria a ensinada nas escolas.
Faz parte do senso comum que somente a língua ensinada nas escolas é a correta.
Segundo o autor citado, qualquer manifestação lingüística que fuja do trinômio escola-gramática-dicionário é a incorreta, feia, estropiada, rudimentar, deficiente - “não é português!”
Interessante quando o autor nos mostra o quadro de transformação lingüística: a etimologia de algumas palavras. Neste quadro, vemos que palavras que antes eram grafadas com  “L” nos encontros consonantais e hoje são com ”R”. Comumente, somos levados a considerar ignorantes e “atrasados mentalmente” os indivíduos que falam “FRAMENGO” invés de “FLAMENGO”.
Lançando esta reflexão para o processo de alfabetização dos alunos da EJA, vamos nos deparar com inúmeras questões inerentes ao sistema fonético dos alunos. E, não raro, somos levados pela força do sistema fonético dito padrão, a dizer para o aluno que o jeito que ele fala é errado, é grotesco, atrasado. Se o aluno não consegue se desvencilhar das suas origens fonéticas será marginalizado, excluído. Mas aqui cabe uma pergunta: isto também não ocorre nas escolas para crianças?
Não queremos que o leitor acredite que o aluno da EJA não deva se apropriar da linguagem dita padrão, mas ele precisa ter reconhecida a sua cultura, e se conscientizar de que ela não é inferior a nenhuma outra, mas que a  padronização faz-se importante no contexto em que vivemos.

Pensamos que uma das maiores maldades - ainda que se apresentem no nível da inconsciência - na EJA seja exatamente a desconsideração com a pessoa aprendente. Por que temos tanta dificuldade em lidar com os jovens? Será que sabemos respeitar o seu modo de ser, inerente, peculiar à fase da vida em que se encontra? E os mais velhos? Conseguimos alcançar, respeitar e valorizar as suas experiências, ou nos portamos de maneira intolerante: “— Ih, já vem ele novamente com esta história!”

Acredito ainda, que a prática de uma Educação Popular hoje, amparada e coerente com as contribuições advindas de tendências filosófico-pedagógicas atuais; analíticas crítico-reflexivas, pode nos ajudar, enquanto agentes educadores no sentido amplo a obter êxito  no propósito aqui defendido.
E se conseguirmos – sempre junto com os educandos – buscar no próprio meio social – na comunidade local real, concreta – as diferentes formas de uso da escrita e refletirmos sobre elas sob o enfoque da construção de conceitos, será um passo gigantesco na luta em prol do que queremos.

É fundamental que pensemos sobre estas questões. Elas perpassam não só pela EJA, mas por toda educação da classes populares, até mesmo em nossos lares e em outras inter-relações sociais que estabelecemos.
Traçar caminhos, junto com os alunos, que os levem a compreender o sistema de escrita e da linguagem oral, bem como os seus usos no meio social é tarefa primordial no processo de aquisição da leitura e da escrita.
Boas Inspirações a todos e todas!


Comentários

  1. Nossa, não sabia que você tinha um blog. Ele é ótimo!!!
    Já coloquei no meu.
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Fico muito feliz por você ter aprovado, amiga. Te admiro muito. Beijo grande e sucesso sempre.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Escreva aqui sua crítica ou sugestão.

Postagens mais visitadas deste blog

Alfabetização: letra de imprensa x letra cursiva

-->
Muitos de nós, alfabetizadores, sentimo-nos inseguros acerca da escolha do tipo de letra a ser usado na alfabetização: Letra Cursiva ou Letra Bastão (ou Imprensa)? Chegamos a divergir em defesa daquilo que acreditamos ser o melhor caminho a ser trilhado pela criança. Sem sombra de dúvida, ainda voto no bom senso para que tal escolha aconteça de forma a garantir o sucesso real de todos rumo ao letramento tão exigido no mundo atual. 



Pensemos e concordemos que a letra cursiva apresenta um grau de dificuldade, em seu traçado propriamente dito, maior que a bastão ou imprensa, como também é chamada, mesmo em se tratando de crianças de um nível mais avançado. Ela é mais cansativa pra quem está aprendendo e, por isso, despende um tempo muito maior para a atividade de escrita. No entanto, a dificuldade varia de criança para criança.

Penso que o processo de aprendizagem é suavizado quando se introduz o uso da letra bastão no início do processo de alfabetização e a manuscrita soment…

Processo de aquisição da leitura e escrita - por Emília Ferreiro

Níveis de aquisição da escrita



Emília Ferreiro, sem dúvida alguma, nos prestou grande contribuição para que pudéssemos compreender como se dá o processo de leitura e escrita para o aprendente. Salvo todas as críticas ao seu trabalho, considero pertinente observar que não percebo essas fases como padrão rígido que se apliquem a todos os indivíduos.
No entanto, elas são boas norteadoras do processo que se deseja pôr em prática - por onde vamos começar? - além de servirem como embasamento de um bom diagnóstico sobre o desenvolvimento do (a) aprendente da leitura e da escrita no momento em que propomos um trabalho com ele (a), também serve para repensar esse trabalho como forma de intervir positivamente para a ampliação do seu aprendizado.
Em seus artigos e livros (Reflexões sobre a Alfabetização (*) e outros) a autora argentina deixa claro que considera a alfabetização um processo que tem início bem cedo e não termina nunca:
"Nós não somos igualmente alfabetizados para qualquer sit…

Caracterização dos Alunos nos níveis de Aprendizagem da Leitura e da Escrita

(http://www.centrorefeducacional.com.br, acessado em 22/01/2009)

COMO IDENTIFICAR OS NÍVEIS DE APRENDIZAGEM EM QUE SE ENCONTRAM OS NOSSOS ALUNOS, DENTRO DE UMA PERSPECTIVA SÓCIO-CONSTRUTIVISTA?

A caracterização de cada nível não é estanque, podendo a criança estar numa determinada hipótese e mesclar conceitos do nível anterior. Tal “regressão temporária” demonstra que sua hipótese ainda não está adequada a seus conceitos.

Emília Ferreiro e Ana Teberosck, para detectar o nível de conceitualização da criança, sugerem um ditado individual de quatro palavras, evitando ditar o monossílabo em primeiro lugar, (monossílaba, dissílaba, trissílaba, polissílaba) e uma frase. Em seguida, pedirá à criança para “ler” o que escreveu, com a finalidade de entender como ela “lê”.

Nas características e desafio dos níveis no processo de alfabetização, as autoras colocam que, em cada nível, a criança elabora suposições a respeito dos processos de construção da leitura e escrita, baseando-se na compreensã…