Pular para o conteúdo principal

Translate

Alfabetização e Teorias Psicológicas da Educação

Como desenvolvemos nossa capacidade de aprender?
Já nascemos com ela ou a adquirimos ao longo da nossa vida?

Alfabetizar é um ato de amor. Já nos dizia Freire (1996). Mas educar implica atuar ancorado numa certa concepção do processo de aprendizagem. Ainda que não a tenhamos plenamente definida, é preciso ter a noção de cada uma delas, ou pelo menos as principais. Pensando nisto, pretendo contribuir com uma reflexão acerca dessas principais concepções sobre o processo de cognição que envolve a aprendizagem humana.



Importante salientar que, o indivíduo será aqui tratado como aprendente, ou aquele que se encontra em processo de aprender alguma coisa. Vejamos um pouquinho de cada uma delas então: (...)

Concepção Inatista
Nesta concepção, reside a crença de que o aprendente nasce com todas as características fisiológicas, biológicas e cognitivas necessárias para desenvolver as suas aprendizagens por toda a vida. E o seu sucesso dependerá da acumulação advinda do meio externo social no qual está inserido. Assim, passivamente, o aprendiz absorve os saberes e os conteúdos produzidos ao longo da história da humanidade. À educação cabe ainda, a correção das distorções que ora possam se apresentar no indivíduo. Ela surge como “uma força homogeneizadora, que tem como função reforçar os laços sociais, promover a coesão, garantir a integração de todos os indivíduos dentro da sociedade” (Saviani, 2008).

Mas nos cabe a suscitar uma reflexão: como acreditar na produção de conhecimentos se tudo já nasce com o indivíduo e ele só recebe o que já está pronto? E quem produziu o que já está pronto?


Concepção Empirista
Aqui, todas as capacidades físicas e biológicas nascem com o aprendente. No entanto, sua cognição será desenvolvida através dos estímulos advindos do meio no qual está inserido. Assim, a capacidade de aprender ocorre na interação com o ambiente externo social, que moldará essa capacidade. Ainda aqui, teremos a educação como função reguladora da sociedade e novamente, devendo “evitar a sua desagregação” (Op.cit. p. 4).

Assim, onde encaixaremos a capacidade crítica do indivíduo? Ela existe? E a sua autonomia e capacidade de escolhas? É possível a construção de uma sociedade igualitária?

Concepção Construtivista
Na concepção construtivista defendida principalmente por Jean Piaget e seus seguidores, o aprendente dependerá da interação com o meio externo social favorável para desenvolver, de forma estruturada, as suas características biológicas, físicas e cognitivas.  No entanto, acredita-se ainda que o aprendente ao desenvolver a sua autonomia, que precisa ser estimulada, será capaz de posicionar-se criticamente frente aos saberes produzido pela humanidade e, portanto, será bem sucedido em suas aprendizagens ao longo da sua vida. Aqui, o educador assume o papel de orientador da aprendizagem, mediando o processo de autoconstrução do conhecimento pelo aprendente: “o professor agiria como um estimulador e orientador da aprendizagem, cuja iniciativa principal caberia aos próprios alunos.” (Op.cit. p. 8).

Onde se encontraria a iniciativa do próprio professor? Ela existe? Deve existir?

Concepção Histórico-social
A consideração da historicidade social é o que identifica esta concepção. A interação do aprendente com o seu meio social e os outros indivíduos, todos agentes históricos, e também aprendentes, é que constituirá a base do seu processo de aprendizagem. Será no exercício da prática social estabelecida não só na escola, mas também nos diversos espaços cotidianos de interação, produzida historicamente que a aprendizagem acontecerá. Desta forma, “o diálogo com a cultura acumulada historicamente” (Op.cit. p.68) é algo que deve ser valorizado pelo ato de educar.

Nesse ponto, eu lhe pergunto, companheiro de labuta, qual seria então o ponto de partida para a articulação entre o que o aprendente já vivenciou e o que ainda precisa vivenciar? Quem definirá o que ele ainda precisa aprender? Como articular os conhecimentos e as experiências para produzir novos conhecimentos?

*Não deixe de visitar também:


De tudo, penso que devemos refletir sobre:

Toda prática educativa contém inevitavelmente uma dimensão política”.
e
Toda prática política contém, por sua vez, inevitavelmente uma dimensão educativa”.

(SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia: polêmicas do nosso tempo.
Campinas, SP. Autores Associados,40ª ed., 2008; vol. 5)


Em qual dimensão nos posicionamos?


Comentários

  1. Olá Valéria tudo ok
    Valeu pela visita no nosso blog Ed em foco
    Foi uma ótima oportunidade para conhecê-la e ao seu blog......já estou seguindo
    Beijocas
    Cris Chabes

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Escreva aqui sua crítica ou sugestão.

Postagens mais visitadas deste blog

Alfabetização: letra de imprensa x letra cursiva

-->
Muitos de nós, alfabetizadores, sentimo-nos inseguros acerca da escolha do tipo de letra a ser usado na alfabetização: Letra Cursiva ou Letra Bastão (ou Imprensa)? Chegamos a divergir em defesa daquilo que acreditamos ser o melhor caminho a ser trilhado pela criança. Sem sombra de dúvida, ainda voto no bom senso para que tal escolha aconteça de forma a garantir o sucesso real de todos rumo ao letramento tão exigido no mundo atual. 



Pensemos e concordemos que a letra cursiva apresenta um grau de dificuldade, em seu traçado propriamente dito, maior que a bastão ou imprensa, como também é chamada, mesmo em se tratando de crianças de um nível mais avançado. Ela é mais cansativa pra quem está aprendendo e, por isso, despende um tempo muito maior para a atividade de escrita. No entanto, a dificuldade varia de criança para criança.

Penso que o processo de aprendizagem é suavizado quando se introduz o uso da letra bastão no início do processo de alfabetização e a manuscrita soment…

Processo de aquisição da leitura e escrita - por Emília Ferreiro

Níveis de aquisição da escrita



Emília Ferreiro, sem dúvida alguma, nos prestou grande contribuição para que pudéssemos compreender como se dá o processo de leitura e escrita para o aprendente. Salvo todas as críticas ao seu trabalho, considero pertinente observar que não percebo essas fases como padrão rígido que se apliquem a todos os indivíduos.
No entanto, elas são boas norteadoras do processo que se deseja pôr em prática - por onde vamos começar? - além de servirem como embasamento de um bom diagnóstico sobre o desenvolvimento do (a) aprendente da leitura e da escrita no momento em que propomos um trabalho com ele (a), também serve para repensar esse trabalho como forma de intervir positivamente para a ampliação do seu aprendizado.
Em seus artigos e livros (Reflexões sobre a Alfabetização (*) e outros) a autora argentina deixa claro que considera a alfabetização um processo que tem início bem cedo e não termina nunca:
"Nós não somos igualmente alfabetizados para qualquer sit…

Caracterização dos Alunos nos níveis de Aprendizagem da Leitura e da Escrita

(http://www.centrorefeducacional.com.br, acessado em 22/01/2009)

COMO IDENTIFICAR OS NÍVEIS DE APRENDIZAGEM EM QUE SE ENCONTRAM OS NOSSOS ALUNOS, DENTRO DE UMA PERSPECTIVA SÓCIO-CONSTRUTIVISTA?

A caracterização de cada nível não é estanque, podendo a criança estar numa determinada hipótese e mesclar conceitos do nível anterior. Tal “regressão temporária” demonstra que sua hipótese ainda não está adequada a seus conceitos.

Emília Ferreiro e Ana Teberosck, para detectar o nível de conceitualização da criança, sugerem um ditado individual de quatro palavras, evitando ditar o monossílabo em primeiro lugar, (monossílaba, dissílaba, trissílaba, polissílaba) e uma frase. Em seguida, pedirá à criança para “ler” o que escreveu, com a finalidade de entender como ela “lê”.

Nas características e desafio dos níveis no processo de alfabetização, as autoras colocam que, em cada nível, a criança elabora suposições a respeito dos processos de construção da leitura e escrita, baseando-se na compreensã…