Pular para o conteúdo principal

Translate

Organização Curricular - planos, atividades, sequências ou projetos?


Recomeçar... ou como começar o trabalho de alfabetização, seja de crianças, jovens ou adultos?

Organizar as tarefas a serem vivenciadas ao longo de todo o período letivo requer um bom senso na escolha daquilo que mais facilmente levará até a chegada - os objetivos gerais e específicos. Mas qual será o melhor ponto de partida?

Será que todos nós, professores, sabemos definir e utilizar planos, atividades, sequências ou projetos? 

Diversos são os caminhos. No entanto, é preciso saber onde se quer chegar, não é mesmo? Bem traçados os objetivos, pensaremos na trilha que melhor proporcionará alcançarmos aquilo que desejamos. (continua)

Se queremos que o aprendente adquira a base linguística do nosso idioma falado e escrito, teremos que visualizar as pedrinhas que deverão compor todo o percurso dessa trilha. Mas é preciso que saibamos transformar o poder das pedras, de barreiras a pistas para um caminhar mais seguro.

Começaremos pelas letras, uma a uma isoladamente ou em conjunto, ou num contexto significativo, como nomes próprios, pequenos textos (quadrinhas, parlendas, trava-línguas)? Ou então, começaremos pelos pequenos textos até chegarmos as suas unidades menores (frases, palavras, sílabas, letras)? Importa menos a trilha escolhida que a nossa firmeza e confiança em segui-la. A reflexão constante deve ser nossa aliada durante todo o processo para que possamos organizar todo o trilhar que será abrigado por diversos sujeitos: APRENDENTES (aluno, professor, equipe pedagógica e administrativa, funcionários de apoio, pais e responsáveis e toda a comunidade escolar) e ENSINANTES (aluno, professor, equipe pedagógica e administrativa, funcionários de apoio, pais e responsáveis e toda a comunidade escolar).

(Imagem disponível na web)


Perceber tudo o que estará em jogo durante todo o processo é tarefa primordial. Somos ensinantes ao mesmo tempo em que somos aprendentes, pois não possuímos o saber totalizado, se é que este existe. Do outro lado, conviveremos com aprendentes que também são ensinantes nesta engrenagem. Os pais e responsáveis ensinam aos seus filhos valores e conteúdos que permearão como coadjuvantes durante todo a caminhada. Por sua vez, toda a equipe escolar dará a sua contribuição, seja com o seu melhor ou com o seu pior. E nisto, influenciará todo o resultado das reflexões contínuas.

Quero sugerir algumas atividades que nos ajudarão em nossas escolhas. Ou não.

Para preservar o sentido do conteúdo a ser ensinado, evitar a sua fragmentação e distribuir os temas a serem trabalhados em função do tempo de aprendizagem, o ensino pode ser organizado de acordo com as chamadas modalidades organizativas. Vamos conferir um resumo sobre cada uma das modalidades, extraído da Revista Nova Escola (com adaptações minhas).

Plano de aula - Forma de organizar a aula com foco numa atividade específica (leitura exploratória de um texto, resolução de um tipo de um tipo de problema matemático etc.). Como dura apenas uma aula, costuma ser usado para apresentar um conteúdo ou explorar um detalhe dele.

*Não esquecer de incluir uma atividade diagnóstica inicial (para verificar o que os já alunos sabem sobre o assunto) e uma avaliação final (para indicar o que aprenderam).
(Imagem disponível na web)
Atividade permanente - Também chamada de atividade habitual, é realizada regularmente (todo dia, uma vez por semana ou a cada 15 dias). Ela serve para construir hábitos e familiarizar os alunos com determinados conteúdos.
Por exemplo: a escrita de parlendas e de listas, semanalmente, faz com que os alunos reflitam sobre o sistema alfabético e, aos poucos, compreendam a relação entre o que se escreve e o que se lê.

* Ao planejar esse tipo de tarefa, é essencial saber o que se quer alcançar, que materiais usar e quanto tempo tudo vai durar. Vale sempre contar para as crianças que a atividade em questão será recorrente. Com o tempo, os alunos passam a prever a atividade que será proposta, de tão habituados.

Sequência didática - Conjunto de propostas com ordem crescente de dificuldade. O objetivo é focar conteúdos particulares (por exemplo, a regularidade ortográfica) numa ordenação com começo, meio e fim. Em sua organização, é preciso prever esse tempo e como distribuir as sequências em meio às atividades permanentes e aos projetos.

É comum confundir essa modalidade com o trabalho do dia a dia. A questão é: há continuidade? Se a resposta for não, você está usando uma coleção de atividades com a cara de sequência.

Projeto didático - Reunião de atividades que se articulam para a elaboração de um produto final forte, em que podem ser observados os processos de aprendizagem e os conteúdos aprendidos pelos alunos. Costuma partir de um desafio ou situação-problema. Trabalhados com uma frequência diária ou semanal, podem estender-se por períodos relativamente prolongados (um ou dois meses, por exemplo), tornando os alunos especialistas num determinado tema.

* O erro mais comum é um certo descaso pelo processo de aprendizagem, como consequência do excessivo cuidado em relação à chamada culminância (a elaboração do produto final), ambas etapas são fundamentais.


(Adaptado de revistaescola.abril.com.br/fundamental-1/escrita-pelo-aluno-alfabetizacao-inicial-641238.shtml?page=5.1)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alfabetização: letra de imprensa x letra cursiva

-->
Muitos de nós, alfabetizadores, sentimo-nos inseguros acerca da escolha do tipo de letra a ser usado na alfabetização: Letra Cursiva ou Letra Bastão (ou Imprensa)? Chegamos a divergir em defesa daquilo que acreditamos ser o melhor caminho a ser trilhado pela criança. Sem sombra de dúvida, ainda voto no bom senso para que tal escolha aconteça de forma a garantir o sucesso real de todos rumo ao letramento tão exigido no mundo atual. 



Pensemos e concordemos que a letra cursiva apresenta um grau de dificuldade, em seu traçado propriamente dito, maior que a bastão ou imprensa, como também é chamada, mesmo em se tratando de crianças de um nível mais avançado. Ela é mais cansativa pra quem está aprendendo e, por isso, despende um tempo muito maior para a atividade de escrita. No entanto, a dificuldade varia de criança para criança.

Penso que o processo de aprendizagem é suavizado quando se introduz o uso da letra bastão no início do processo de alfabetização e a manuscrita soment…

Processo de aquisição da leitura e escrita - por Emília Ferreiro

Níveis de aquisição da escrita



Emília Ferreiro, sem dúvida alguma, nos prestou grande contribuição para que pudéssemos compreender como se dá o processo de leitura e escrita para o aprendente. Salvo todas as críticas ao seu trabalho, considero pertinente observar que não percebo essas fases como padrão rígido que se apliquem a todos os indivíduos.
No entanto, elas são boas norteadoras do processo que se deseja pôr em prática - por onde vamos começar? - além de servirem como embasamento de um bom diagnóstico sobre o desenvolvimento do (a) aprendente da leitura e da escrita no momento em que propomos um trabalho com ele (a), também serve para repensar esse trabalho como forma de intervir positivamente para a ampliação do seu aprendizado.
Em seus artigos e livros (Reflexões sobre a Alfabetização (*) e outros) a autora argentina deixa claro que considera a alfabetização um processo que tem início bem cedo e não termina nunca:
"Nós não somos igualmente alfabetizados para qualquer sit…

Caracterização dos Alunos nos níveis de Aprendizagem da Leitura e da Escrita

(http://www.centrorefeducacional.com.br, acessado em 22/01/2009)

COMO IDENTIFICAR OS NÍVEIS DE APRENDIZAGEM EM QUE SE ENCONTRAM OS NOSSOS ALUNOS, DENTRO DE UMA PERSPECTIVA SÓCIO-CONSTRUTIVISTA?

A caracterização de cada nível não é estanque, podendo a criança estar numa determinada hipótese e mesclar conceitos do nível anterior. Tal “regressão temporária” demonstra que sua hipótese ainda não está adequada a seus conceitos.

Emília Ferreiro e Ana Teberosck, para detectar o nível de conceitualização da criança, sugerem um ditado individual de quatro palavras, evitando ditar o monossílabo em primeiro lugar, (monossílaba, dissílaba, trissílaba, polissílaba) e uma frase. Em seguida, pedirá à criança para “ler” o que escreveu, com a finalidade de entender como ela “lê”.

Nas características e desafio dos níveis no processo de alfabetização, as autoras colocam que, em cada nível, a criança elabora suposições a respeito dos processos de construção da leitura e escrita, baseando-se na compreensã…