Pular para o conteúdo principal

Translate

Contação de História e Prática de Escrita


Quem, caso já tenha sido apresentado ou apresentada, consegue ficar imparcial ao ouvir e cantar as músicas da nossa Bia Bedran? Dizem por aí que a Bia participou da infância de diversas gerações. Mas como explicar o sucesso enorme que ela faz junto a nós, grandões e grandonas? Mais abaixo, sugestões de atividades de leitura e escrita.

São tantas histórias e canções. A história da Coca, O menino do vento norte, O tempo, Pedalinho, A menina do anel, Ciranda do Anel, Desengonçada... Ah, me perderia facilmente vezes pós outra só nos encantos da nossa brasileirinha, que de inha não tem nadinha.

Como não dá pra ficar perdida o dia inteiro na voz e encantos de Bia (será ela uma feiticeira? Rs...), vamos voltar ao que nos interessa - alfabetização.

Que tal alfabetizar com música e letra? Vídeo excelente para trabalhar letra (bastante repetitiva, o que favorece a memorização da grafia), música (sons, emoções, afetividade, festividade, etc.) e FONEMAS (há várias oportunidades na mesma música) que podem ser aprofundados em diversos momentos do planejamento do período (dependerá do objetivo e escolha de estratégias). Boas inspirações a todos e todas!

Sugestão de Encaminhamento pedagógico com história para contação (audição) e  atividade de reescrita pelos alunos - por Prof. Valéria Rosa Poubell
  1. Ouvir a história junto com o grupo.
  2. Conversar sobre a prática da Contação de Histórias ao longo da história do mundo e da formação da cultura de diversos povos - herança cultural.
  3. Conversar sobre a contadora da história: biografia e acervo de histórias e músicas.
  4. Sugerir a audição de algumas músicas da autora: apenas para apreciação.
  5. Propor, no dia seguinte, mais uma audição da história.
  6. Solicitar a reescrita da história ouvida pelos alunos: de memória.
  7. No dia seguinte, propor a leitura/ releitura das reescritas pelos próprios alunos.
  8. Combinar a revisão textual através de parâmetros e CÓDIGOS pré-estabelecidos em conjunto com o grupo de alunos. Isso dependerá do nível em que se encontram os grupos de alunos. O professor terá que ponderar bastante sobre os parâmetros para cada grupo, se a atividade for individual. Se for coletiva, ele próprio conduzirá o processo de revisão e então é recomendável que estabeleça poucos critérios de revisão por vez (atividade).   * Exemplo: Circular de azul as letras que deveriam ser escritas em maiúsculas; marcar um X verde nas letras que não representam o som necessário à escrita da palavra analisada; marcar com um traço abaixo, a palavra ilegível; etc.
  9. Solicitar a ilustração da história: pode ser por partes (para a construção de um livreto) ou em uma só folha (representação pictórica geral da história reescrita).
  10. Sugerir a troca entre os grupos e/ou pares dos trabalhos realizados.
  11. Propor a autoavaliação coletiva e individual da atividade.
  12. E muitas outras onde sua criatividade puder te levar!
  13. Conte para nós sobre suas inspirações, tá!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alfabetização: letra de imprensa x letra cursiva

-->
Muitos de nós, alfabetizadores, sentimo-nos inseguros acerca da escolha do tipo de letra a ser usado na alfabetização: Letra Cursiva ou Letra Bastão (ou Imprensa)? Chegamos a divergir em defesa daquilo que acreditamos ser o melhor caminho a ser trilhado pela criança. Sem sombra de dúvida, ainda voto no bom senso para que tal escolha aconteça de forma a garantir o sucesso real de todos rumo ao letramento tão exigido no mundo atual. 



Pensemos e concordemos que a letra cursiva apresenta um grau de dificuldade, em seu traçado propriamente dito, maior que a bastão ou imprensa, como também é chamada, mesmo em se tratando de crianças de um nível mais avançado. Ela é mais cansativa pra quem está aprendendo e, por isso, despende um tempo muito maior para a atividade de escrita. No entanto, a dificuldade varia de criança para criança.

Penso que o processo de aprendizagem é suavizado quando se introduz o uso da letra bastão no início do processo de alfabetização e a manuscrita soment…

Processo de aquisição da leitura e escrita - por Emília Ferreiro

Níveis de aquisição da escrita



Emília Ferreiro, sem dúvida alguma, nos prestou grande contribuição para que pudéssemos compreender como se dá o processo de leitura e escrita para o aprendente. Salvo todas as críticas ao seu trabalho, considero pertinente observar que não percebo essas fases como padrão rígido que se apliquem a todos os indivíduos.
No entanto, elas são boas norteadoras do processo que se deseja pôr em prática - por onde vamos começar? - além de servirem como embasamento de um bom diagnóstico sobre o desenvolvimento do (a) aprendente da leitura e da escrita no momento em que propomos um trabalho com ele (a), também serve para repensar esse trabalho como forma de intervir positivamente para a ampliação do seu aprendizado.
Em seus artigos e livros (Reflexões sobre a Alfabetização (*) e outros) a autora argentina deixa claro que considera a alfabetização um processo que tem início bem cedo e não termina nunca:
"Nós não somos igualmente alfabetizados para qualquer sit…

Caracterização dos Alunos nos níveis de Aprendizagem da Leitura e da Escrita

(http://www.centrorefeducacional.com.br, acessado em 22/01/2009)

COMO IDENTIFICAR OS NÍVEIS DE APRENDIZAGEM EM QUE SE ENCONTRAM OS NOSSOS ALUNOS, DENTRO DE UMA PERSPECTIVA SÓCIO-CONSTRUTIVISTA?

A caracterização de cada nível não é estanque, podendo a criança estar numa determinada hipótese e mesclar conceitos do nível anterior. Tal “regressão temporária” demonstra que sua hipótese ainda não está adequada a seus conceitos.

Emília Ferreiro e Ana Teberosck, para detectar o nível de conceitualização da criança, sugerem um ditado individual de quatro palavras, evitando ditar o monossílabo em primeiro lugar, (monossílaba, dissílaba, trissílaba, polissílaba) e uma frase. Em seguida, pedirá à criança para “ler” o que escreveu, com a finalidade de entender como ela “lê”.

Nas características e desafio dos níveis no processo de alfabetização, as autoras colocam que, em cada nível, a criança elabora suposições a respeito dos processos de construção da leitura e escrita, baseando-se na compreensã…