Pular para o conteúdo principal

Translate

2012! O que ofereceremos aos nossos alunos? Vamos pensar juntos?


O PROJETO NOSSO DE CADA ANO - Planejando 2.012


Pensar no Projeto para o próximo ano letivo é a ordem para os dias de janeiro.

Se possível, reserve um tempo para você. SÓ VOCÊ.

Fazer um bom passeio ao ar livre, ir ao cinema, visitar um museu, apreciar qualquer ponto da natureza... Ficar de perna pro ar! Tudo isso servirá para recarregar as baterias. E elas precisam estar muito bem carregadas para agüentar a demanda do dia-a-dia das nossas salas de aula.

Seja qual for o projeto pedagógico das escolas em que atuamos, devemos pensar no nosso próprio projeto. Falo daquilo em que acreditamos, nossas concepções, do que fazemos de melhor porque já provamos o gostinho do bom resultado para todos, alunos e nós mesmos. Daquilo que consegue encher nossos lábios de um sorriso incontido. Rimos sozinhos, felizes com o sucesso daqueles que dependem de nós, somente nós.


Se temos nosso próprio projeto, confiamos nele e nos empenhamos para a sua plena execução, facilmente nos engajaremos num projeto maior, o projeto de todos. Aquele que foi decidido com toda a equipe e que, por isso mesmo, também teve a nossa participação. E, engajados, poderemos seguir firme, ainda que apareçam pedras no nosso caminhar. Estaremos fortes, porque seremos um mais um, mais que dois.

Pensar sobre o quê e como vamos oferecer aos alunos para que eles tenham reais chances de um seguro aprendizado da leitura e da escrita não é tarefa nada fácil, mas imbuídos do amor que temos pela nossa profissão e conscientes do nosso papel neste mundo, tão necessitado de uma educação transformadora, emancipadora (neste momento me recordo dos ensinamentos de Paulo Freire) e, acima de tudo, "fazedora de seres humanos em sua plenitude". Seres humanos repletos de sentimentos pouco observados em nossa sociedade - amizade, solidariedade, caridade, amor, justiça e respeito.




A nossa missão não é das mais simples. Ela é grandiosa sim. E devemos começar o quanto antes, mesmo que, por lapsos de segundos, vemos nossa força se esvair. Mas ela está lá, e é exatamente ela que nos move.

Instrumentalizar crianças, adolescentes ou adultos com a ferramenta essencial para enfrentar as perversidades que o mundo capitalista-transglobalizado nos impõe - com a leitura e a escrita - é o início de tudo o que pode vir depois: consciência crítica, exercício de deveres, a conquista e a exigência de direitos, o respeito e o amor ao próximo e ao distante e, fundamentalmente, respeito pela natureza, pelas nossas terras e nossa Terra.




FELIZ BOM ENCONTRO COM OS NOSSOS EUS. 
BOAS IDÉIAS A TODOS E TODAS!

UM EXCELENTE ANO NOVO!

E se quiser compartilhar conosco, ficaremos extremamente honrados.

Fotos: http://images.google.com.br/images


Comentários

  1. Oi,Amiga!
    Que belo material de consulta e reciclagem de conhecimentos!Bjs, Rosana

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Escreva aqui sua crítica ou sugestão.

Postagens mais visitadas deste blog

Alfabetização: letra de imprensa x letra cursiva

-->
Muitos de nós, alfabetizadores, sentimo-nos inseguros acerca da escolha do tipo de letra a ser usado na alfabetização: Letra Cursiva ou Letra Bastão (ou Imprensa)? Chegamos a divergir em defesa daquilo que acreditamos ser o melhor caminho a ser trilhado pela criança. Sem sombra de dúvida, ainda voto no bom senso para que tal escolha aconteça de forma a garantir o sucesso real de todos rumo ao letramento tão exigido no mundo atual. 



Pensemos e concordemos que a letra cursiva apresenta um grau de dificuldade, em seu traçado propriamente dito, maior que a bastão ou imprensa, como também é chamada, mesmo em se tratando de crianças de um nível mais avançado. Ela é mais cansativa pra quem está aprendendo e, por isso, despende um tempo muito maior para a atividade de escrita. No entanto, a dificuldade varia de criança para criança.

Penso que o processo de aprendizagem é suavizado quando se introduz o uso da letra bastão no início do processo de alfabetização e a manuscrita soment…

Processo de aquisição da leitura e escrita - por Emília Ferreiro

Níveis de aquisição da escrita



Emília Ferreiro, sem dúvida alguma, nos prestou grande contribuição para que pudéssemos compreender como se dá o processo de leitura e escrita para o aprendente. Salvo todas as críticas ao seu trabalho, considero pertinente observar que não percebo essas fases como padrão rígido que se apliquem a todos os indivíduos.
No entanto, elas são boas norteadoras do processo que se deseja pôr em prática - por onde vamos começar? - além de servirem como embasamento de um bom diagnóstico sobre o desenvolvimento do (a) aprendente da leitura e da escrita no momento em que propomos um trabalho com ele (a), também serve para repensar esse trabalho como forma de intervir positivamente para a ampliação do seu aprendizado.
Em seus artigos e livros (Reflexões sobre a Alfabetização (*) e outros) a autora argentina deixa claro que considera a alfabetização um processo que tem início bem cedo e não termina nunca:
"Nós não somos igualmente alfabetizados para qualquer sit…

Caracterização dos Alunos nos níveis de Aprendizagem da Leitura e da Escrita

(http://www.centrorefeducacional.com.br, acessado em 22/01/2009)

COMO IDENTIFICAR OS NÍVEIS DE APRENDIZAGEM EM QUE SE ENCONTRAM OS NOSSOS ALUNOS, DENTRO DE UMA PERSPECTIVA SÓCIO-CONSTRUTIVISTA?

A caracterização de cada nível não é estanque, podendo a criança estar numa determinada hipótese e mesclar conceitos do nível anterior. Tal “regressão temporária” demonstra que sua hipótese ainda não está adequada a seus conceitos.

Emília Ferreiro e Ana Teberosck, para detectar o nível de conceitualização da criança, sugerem um ditado individual de quatro palavras, evitando ditar o monossílabo em primeiro lugar, (monossílaba, dissílaba, trissílaba, polissílaba) e uma frase. Em seguida, pedirá à criança para “ler” o que escreveu, com a finalidade de entender como ela “lê”.

Nas características e desafio dos níveis no processo de alfabetização, as autoras colocam que, em cada nível, a criança elabora suposições a respeito dos processos de construção da leitura e escrita, baseando-se na compreensã…