Pular para o conteúdo principal

Translate

Jogos e Brinquedos Interativos

OLÁ, PREZADÍSSIMO LEITOR!


Permita-me sugerir uma reflexão: como caminha nossa mediação em meio aos diferenciados processos individuais de aprendizagem dos alunos?  Temos encontrado o passo, ainda que desengonçado? Rs... São "os ossos do nosso ofício!" Não desanime nunca. Afinal, estamos juntos nessa trajetória.

Deixo por aqui uma sugestão que eu achei muito bacana, que está me ajudando e vai te ajudar bastante também. Aliás, para seguirmos em nossa ardúa trajetória, toda ajuda é bem vinda, não é mesmo?

Uma ótima opção para aqueles, como eu, que gostam de ousar e inovar no que diz respeito à motivação dos alunos, é o oferecimento de materiais que não só motivem como estimulem o desenvolvimento da aprendizagem dos alunos.

Pensando nisso, venho pesquisando e conheci o Ateliê Calu Mirim, uma fábrica de materiais pedagógicos, que apresenta uma proposta variada de jogos e brinquedos interativos. Trabalha com conceito de formação da criança cidadã, que precisa aprender na ação, para desenvolver sua autonomia e consciência crítica.

Como proposta o Ateliê Calu Mirim apresenta a ludicidade em todas as suas peças, com texturas e cores que alegram o dia a dia e aguçam a busca pelo saber. Encontrei por lá um Painel de Contagem com numerais e objetos para relacionar ou mesmo servir de referência; um Cubo de Contagem também com numerais e objetos, totalmente interativo, onde pode-se trocar peças, figuras de acordo com o projeto a ser trabalhado; um Alfabetário Interativo (as peças são móveis) muito bacana; Maleta com Letras do Alfabeto móveis, Tapetinho Interativo; Tabela de Dupla Entrada; entre muitas outras. Por isso, estou compartilhando.

Tenho utilizado esses e outros materiais e já já partilho as experiências reais vivenciadas e os resultados apresentados.


(clique nas imagens para ampliá-las)










Boas Inspirações a todos e todas!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alfabetização: letra de imprensa x letra cursiva

-->
Muitos de nós, alfabetizadores, sentimo-nos inseguros acerca da escolha do tipo de letra a ser usado na alfabetização: Letra Cursiva ou Letra Bastão (ou Imprensa)? Chegamos a divergir em defesa daquilo que acreditamos ser o melhor caminho a ser trilhado pela criança. Sem sombra de dúvida, ainda voto no bom senso para que tal escolha aconteça de forma a garantir o sucesso real de todos rumo ao letramento tão exigido no mundo atual. 



Pensemos e concordemos que a letra cursiva apresenta um grau de dificuldade, em seu traçado propriamente dito, maior que a bastão ou imprensa, como também é chamada, mesmo em se tratando de crianças de um nível mais avançado. Ela é mais cansativa pra quem está aprendendo e, por isso, despende um tempo muito maior para a atividade de escrita. No entanto, a dificuldade varia de criança para criança.

Penso que o processo de aprendizagem é suavizado quando se introduz o uso da letra bastão no início do processo de alfabetização e a manuscrita soment…

Processo de aquisição da leitura e escrita - por Emília Ferreiro

Níveis de aquisição da escrita



Emília Ferreiro, sem dúvida alguma, nos prestou grande contribuição para que pudéssemos compreender como se dá o processo de leitura e escrita para o aprendente. Salvo todas as críticas ao seu trabalho, considero pertinente observar que não percebo essas fases como padrão rígido que se apliquem a todos os indivíduos.
No entanto, elas são boas norteadoras do processo que se deseja pôr em prática - por onde vamos começar? - além de servirem como embasamento de um bom diagnóstico sobre o desenvolvimento do (a) aprendente da leitura e da escrita no momento em que propomos um trabalho com ele (a), também serve para repensar esse trabalho como forma de intervir positivamente para a ampliação do seu aprendizado.
Em seus artigos e livros (Reflexões sobre a Alfabetização (*) e outros) a autora argentina deixa claro que considera a alfabetização um processo que tem início bem cedo e não termina nunca:
"Nós não somos igualmente alfabetizados para qualquer sit…

Caracterização dos Alunos nos níveis de Aprendizagem da Leitura e da Escrita

(http://www.centrorefeducacional.com.br, acessado em 22/01/2009)

COMO IDENTIFICAR OS NÍVEIS DE APRENDIZAGEM EM QUE SE ENCONTRAM OS NOSSOS ALUNOS, DENTRO DE UMA PERSPECTIVA SÓCIO-CONSTRUTIVISTA?

A caracterização de cada nível não é estanque, podendo a criança estar numa determinada hipótese e mesclar conceitos do nível anterior. Tal “regressão temporária” demonstra que sua hipótese ainda não está adequada a seus conceitos.

Emília Ferreiro e Ana Teberosck, para detectar o nível de conceitualização da criança, sugerem um ditado individual de quatro palavras, evitando ditar o monossílabo em primeiro lugar, (monossílaba, dissílaba, trissílaba, polissílaba) e uma frase. Em seguida, pedirá à criança para “ler” o que escreveu, com a finalidade de entender como ela “lê”.

Nas características e desafio dos níveis no processo de alfabetização, as autoras colocam que, em cada nível, a criança elabora suposições a respeito dos processos de construção da leitura e escrita, baseando-se na compreensã…