Pular para o conteúdo principal

Translate

Ciranda do Anel, de Bia Bedran


Olá, minha gente!
Compartilho um texto clássico, de tipologia poética, que já faz parte do nosso universo cultural musical há tempos. Entra ano e sai ano ele canta e encanta os nossos corações (nós, grandões) e principalmente os de nossas crianças. Refiro-me a música "Ciranda do anel", de Bia Bedran. E o melhor de tudo é que pode dar bastante "pano para as nossas mangas" alfabetizadoras.
Partindo da audição, dramatização e leitura da letra da música, disponibilizo uma seleção de etapas para o encaminhamento da proposta de alfabetização através de obras da literatura infantil. Espero que gostem, critiquem e opinem.
Clique no link abaixo para ler mais.


Sugiro:

1. Audição da música várias vezes, em dias diferentes;
2. Desenvolver a "memória musical" (para posterior montagem de trecho textual);
3. Conversar sobre a letra da música;
4. Conversar sobre a autora da música;
5. Sugerir aos alunos pesquisa junto aos responsáveis sobre a biografia e a discografia da Bia Bedran;
6. Elaborar uma listagem coletiva com nomes de músicas da Bia Bedran trazidas pelo grupo e sugerir a reescrita pelos alunos;
7. Propor a construção coletiva de uma paródia musical (após conversar sobre o que é uma paródia) utilizando a melodia da música Ciranda do Anel;
8. Solicitar a escrita da paródia construída e a ilustração da mesma;
9. Propor a leitura da letra da música Ciranda do Anel através do blocão e com apontamento (o professor vai passando o dedo embaixo dos fonemas que representam o som da letra da música);
10. Solicitar que os alunos circulem palavras do texto (música) ditadas - palavras-chave que se quer sistematizar posteriormente (não escolher muitas);
11. Montagem coletiva e individual (uma em cada dia diferente) por frases, de trechos da música memorizada;
12. Montagem coletiva e individual (uma em cada dia diferente) por palavras, de trechos da música memorizada;
13. Completar texto lacunado da música;
14. Propor reescrita coletiva (no blocão) de trecho da música ou toda ela;
15. Incentivar a reescrita individual do trecho da música reescrito coletivamente (ou toda a música, caso tenha sido essa a opção escolhida);
16. Tomar um ou dois textos para correção coletiva (uso do retroprojetor ou projetor multimídia) não esquecendo de estabelecer parâmetros bem definidos para essa atividade (NÃO DÁ PRA ABORDAR TODOS OS ERROS DE UM SÓ VEZ, na alfabetização, apenas quando o aluno já é totalmente alfabetizado, ou já foram bem trabalhados todas as normas da escrita da nossa língua;
...
Bom, são somente algumas sugestões e que de nenhuma forma estão fechadas em si mesmas. Sugiro que Criem e Recriem em cima delas.
E depois, que tal compartilhar conosco suas inspirações?

(Ilustração de Ivan Cruz)

Comentários

  1. Adorei, professora!

    ResponderExcluir
  2. Olá,Valéria!
    Gostei muito do seu espaço: criativo, inovador e cheio de alegria. Ensinar com amor e sabedoria é um dom especial, uma missão sublime que deve ser valorizada e respeitada!
    Que Deus a abençoe sempre!
    Com carinho,
    Angela

    Quando puder, venha conhecer meus cantinhos também:
    nospassosdejesusamor.com.br
    docessonhosdepapel.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Angela,
      Já visitei os seus espaços e adorei! Obrigada por nos visitar. Volte sempre que quiser.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Escreva aqui sua crítica ou sugestão.

Postagens mais visitadas deste blog

Alfabetização: letra de imprensa x letra cursiva

-->
Muitos de nós, alfabetizadores, sentimo-nos inseguros acerca da escolha do tipo de letra a ser usado na alfabetização: Letra Cursiva ou Letra Bastão (ou Imprensa)? Chegamos a divergir em defesa daquilo que acreditamos ser o melhor caminho a ser trilhado pela criança. Sem sombra de dúvida, ainda voto no bom senso para que tal escolha aconteça de forma a garantir o sucesso real de todos rumo ao letramento tão exigido no mundo atual. 



Pensemos e concordemos que a letra cursiva apresenta um grau de dificuldade, em seu traçado propriamente dito, maior que a bastão ou imprensa, como também é chamada, mesmo em se tratando de crianças de um nível mais avançado. Ela é mais cansativa pra quem está aprendendo e, por isso, despende um tempo muito maior para a atividade de escrita. No entanto, a dificuldade varia de criança para criança.

Penso que o processo de aprendizagem é suavizado quando se introduz o uso da letra bastão no início do processo de alfabetização e a manuscrita soment…

Processo de aquisição da leitura e escrita - por Emília Ferreiro

Níveis de aquisição da escrita



Emília Ferreiro, sem dúvida alguma, nos prestou grande contribuição para que pudéssemos compreender como se dá o processo de leitura e escrita para o aprendente. Salvo todas as críticas ao seu trabalho, considero pertinente observar que não percebo essas fases como padrão rígido que se apliquem a todos os indivíduos.
No entanto, elas são boas norteadoras do processo que se deseja pôr em prática - por onde vamos começar? - além de servirem como embasamento de um bom diagnóstico sobre o desenvolvimento do (a) aprendente da leitura e da escrita no momento em que propomos um trabalho com ele (a), também serve para repensar esse trabalho como forma de intervir positivamente para a ampliação do seu aprendizado.
Em seus artigos e livros (Reflexões sobre a Alfabetização (*) e outros) a autora argentina deixa claro que considera a alfabetização um processo que tem início bem cedo e não termina nunca:
"Nós não somos igualmente alfabetizados para qualquer sit…

Caracterização dos Alunos nos níveis de Aprendizagem da Leitura e da Escrita

(http://www.centrorefeducacional.com.br, acessado em 22/01/2009)

COMO IDENTIFICAR OS NÍVEIS DE APRENDIZAGEM EM QUE SE ENCONTRAM OS NOSSOS ALUNOS, DENTRO DE UMA PERSPECTIVA SÓCIO-CONSTRUTIVISTA?

A caracterização de cada nível não é estanque, podendo a criança estar numa determinada hipótese e mesclar conceitos do nível anterior. Tal “regressão temporária” demonstra que sua hipótese ainda não está adequada a seus conceitos.

Emília Ferreiro e Ana Teberosck, para detectar o nível de conceitualização da criança, sugerem um ditado individual de quatro palavras, evitando ditar o monossílabo em primeiro lugar, (monossílaba, dissílaba, trissílaba, polissílaba) e uma frase. Em seguida, pedirá à criança para “ler” o que escreveu, com a finalidade de entender como ela “lê”.

Nas características e desafio dos níveis no processo de alfabetização, as autoras colocam que, em cada nível, a criança elabora suposições a respeito dos processos de construção da leitura e escrita, baseando-se na compreensã…