Pular para o conteúdo principal

Translate

Escola e Família: parceria fundamental na promoção da aprendizagem

Ações de promoção da aprendizagem da Leitura e da Escrita

Como as famílias podem ajudar a criança a se apropriar da leitura e da escrita?

A família pode e deve auxiliar, na medida do possível, a criança em  seu processo de aprender a ler e escrever. É importante que pais, mães, irmãos, avós ou outros responsáveis recebam orientações dos professores sobre como auxiliar as suas crianças. Mas se isso não acontece, aqui vai uma ajudinha. Cito alguns exemplos, dentre muitos outros, de tarefas que contribuem para a promoção do sucesso da aprendizagem da leitura e da escrita.

  • olhar sempre os cadernos junto com a criança (...)
  • valorizar a produção dos filhos, elogiar o capricho, a organização e a criatividade deles.
  • ler para e com as crianças; 
  • prestar atenção (mesmo!) quando os filhos mostram algo que fizeram; 
  • ler com as crianças textos que fazem parte do dia-a-dia da família, como bulas de remédio, partes de jornal, receitas de culinária, embalagens de produtos, etc; 
  • ter livros infantis em casa estimula o interesse. Livros são caros, mas de vez em quando se 
  • compra um presentinho e esse presente pode ser um livro infantil; 
  • levar os filhos na biblioteca pública se houver alguma na região onde você mora; 
  • incentivar os filhos a tomar emprestado livros da biblioteca e levá-los para ler em casa;
  • estabelecer o mesmo horário todos os dias para que a criança possa fazer os seus deveres de casa ou de revisão;
  • sempre perguntar à criança se tem dever de casa; 
  • estar pronto a ajudar é importante, mesmo que seja para dizer “isso eu não sei também, mas vamos ver se a professora ou alguém pode nos ajudar”; 
  • ajude, mas nunca faça o dever pela criança; 
  • coloque um quadro de recados em casa e anote mensagens 
  • tenha lápis e papel em casa e computador, se possível 
  • estimule-o a ler tudo o que for escrito: rótulos, embalagens, cartazes, outdoors, letreiros etc. 
  • espalhe livros, revistas e jornais pela casa 
  • compre almanaques que tenham caça-palavras, palavras cruzadas etc. 
  • dê um diário “especial” e estimule-o a desenhar, anotar suas recordações e guardar cupons, programas e folhetos 
  • invista em um calendário interativo e faça-a marcar os eventos junto com você e os outros familiares. 

A melhor forma de ajudar uma criança a ler e a escrever é criar em torno dela um ambiente no qual tenha contato constante com o mundo da escrita.

Ambiente alfabetizador é aquele em que o material escrito tem uma real função no dia-a-dia!

A busca pelo conhecimento é algo que deve ser estimulado desde o início da aprendizagem da leitura e escrita, mesmo que o aprendente não saiba ainda ler e escrever bem. A iniciativa deve partir também dos pais ou responsáveis, junto com a criança ou jovem aprendiz. Pesquisar informações em jornais e revistas confiáveis, livros, internet, oralituras, etc, é um ótimo exemplo para desenvolver a autonomia para a atividade. Uma pessoa que aprende a aprender, aos poucos poderá adquirir qualquer conhecimento que deseje e necessite.

A consciência sobre o que e como se pesquisa também é algo importante a se aprender. Assim, cada vez mais o aprendiz se tornará crítico e consciente acerca da busca por aquilo que deseja conhecer, evitando assim cair nas armadilhas das informações manipuladoras, inconvenientes e maliciosas.

Uma boa pesquisa sobre o assunto que estamos discutindo está nos links que serviram de ancoragem para a postagem:

http://educarparacrescer.abril.com.br/alfabetizacao/1/
http://educarparacrescer.abril.com.br/leitura/incentivar-leitura-624840.shtml#

Boas inspirações a todos e todas!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alfabetização: letra de imprensa x letra cursiva

-->
Muitos de nós, alfabetizadores, sentimo-nos inseguros acerca da escolha do tipo de letra a ser usado na alfabetização: Letra Cursiva ou Letra Bastão (ou Imprensa)? Chegamos a divergir em defesa daquilo que acreditamos ser o melhor caminho a ser trilhado pela criança. Sem sombra de dúvida, ainda voto no bom senso para que tal escolha aconteça de forma a garantir o sucesso real de todos rumo ao letramento tão exigido no mundo atual. 



Pensemos e concordemos que a letra cursiva apresenta um grau de dificuldade, em seu traçado propriamente dito, maior que a bastão ou imprensa, como também é chamada, mesmo em se tratando de crianças de um nível mais avançado. Ela é mais cansativa pra quem está aprendendo e, por isso, despende um tempo muito maior para a atividade de escrita. No entanto, a dificuldade varia de criança para criança.

Penso que o processo de aprendizagem é suavizado quando se introduz o uso da letra bastão no início do processo de alfabetização e a manuscrita soment…

Processo de aquisição da leitura e escrita - por Emília Ferreiro

Níveis de aquisição da escrita



Emília Ferreiro, sem dúvida alguma, nos prestou grande contribuição para que pudéssemos compreender como se dá o processo de leitura e escrita para o aprendente. Salvo todas as críticas ao seu trabalho, considero pertinente observar que não percebo essas fases como padrão rígido que se apliquem a todos os indivíduos.
No entanto, elas são boas norteadoras do processo que se deseja pôr em prática - por onde vamos começar? - além de servirem como embasamento de um bom diagnóstico sobre o desenvolvimento do (a) aprendente da leitura e da escrita no momento em que propomos um trabalho com ele (a), também serve para repensar esse trabalho como forma de intervir positivamente para a ampliação do seu aprendizado.
Em seus artigos e livros (Reflexões sobre a Alfabetização (*) e outros) a autora argentina deixa claro que considera a alfabetização um processo que tem início bem cedo e não termina nunca:
"Nós não somos igualmente alfabetizados para qualquer sit…

Caracterização dos Alunos nos níveis de Aprendizagem da Leitura e da Escrita

(http://www.centrorefeducacional.com.br, acessado em 22/01/2009)

COMO IDENTIFICAR OS NÍVEIS DE APRENDIZAGEM EM QUE SE ENCONTRAM OS NOSSOS ALUNOS, DENTRO DE UMA PERSPECTIVA SÓCIO-CONSTRUTIVISTA?

A caracterização de cada nível não é estanque, podendo a criança estar numa determinada hipótese e mesclar conceitos do nível anterior. Tal “regressão temporária” demonstra que sua hipótese ainda não está adequada a seus conceitos.

Emília Ferreiro e Ana Teberosck, para detectar o nível de conceitualização da criança, sugerem um ditado individual de quatro palavras, evitando ditar o monossílabo em primeiro lugar, (monossílaba, dissílaba, trissílaba, polissílaba) e uma frase. Em seguida, pedirá à criança para “ler” o que escreveu, com a finalidade de entender como ela “lê”.

Nas características e desafio dos níveis no processo de alfabetização, as autoras colocam que, em cada nível, a criança elabora suposições a respeito dos processos de construção da leitura e escrita, baseando-se na compreensã…